Pesquisar este blog

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Mais uma listinha.

Gostei da experiência de fazer listinhas, dos blogs que eu mais gosto de acessar, dos programas que assisto, das músicas que mais ouço ( nacionais e internacionais). Então dessa vez decidir fazer uma lista dos 20 filmes que eu mais gostei de assistir, nos comentários recomendo que você também faça uma lista dos seus filmes prediletos, e conte se tem algum da minha lista que você colocaria. Aí vai a sugestão.
Os 20 melhores filmes que eu assistir na minha opinião ( a lista não está em ordem de preferência, a enumeração é só para organizar, não significa que gosto mais do primeiro do que do segundo):

1- Piaf- um hino de amor: lindíssimo esse filme, chorei horrores;
2-Pequena Miss Sunshine: escolhi esse filme, por ser um filme simples, mas com vários temas delicados, e a história é bem interessante;
3- Atividade paranormal: um filme de terror, escolho esse, por causa da inovação ao fazê-lo, apesar de entediante o início, mas o final é incrível e surpreendente;
4- A trilogia Bourne, pra mim é o melhor filme de ação;
5-Matrix, o primeiro, os outros dois não gostei muito;
6- Meu nome não é Johnny: com boas atuações, e para constar na lista um filme brasileiro, eu gosto mais das comédias brasileiras, mas gostei bastante desse filme e decidir colocar na lista, muita gente vai perguntar por que não Cidade de Deus, Cidade de Deus é bom, tem cenas de tirar o fôlego, mas é muito violento;
7-Ensaio sobre a cegueira: filme que mostra o que o ser humano é capaz de fazer quando perde o domínio sobre si mesmo, não li o livro para comparar as obras.
8-O sexto sentido: Até hoje me lembro da famosa frase: " Eu vejo gente morta... O livro tem um final incrível, eu quando assistir a primeira vez não conseguir nem dormir;
9-A corrente do bem: Filme belíssimo, com uma mensagem muito bonita, não gostei do fim, não conto para não estragar que não assistiu;
10- O júri: Esse filme é incrível, com personagens bem montados e um final espetacular;
11- As loucuras de Dick e Jane: Não é melhor filme de Jim Carrey, aliás, sou fã do cara, gostei mais de Eu, eu mesmo e Irene, mas fico com esse, pela atuação conjunta do casal, e com cada cena hilária e pela mistura de humor ação no mesmo filme;
12- O segredo de break mountain: Pra mim o melhor filme gay, não peca naqueles exageros, e a ótima atuação Heath Ledger, o final é lindo;
13-Adeus Lênin: Assistir esse filme por causa do vestibular que prestei, é um filme com um enredo interessante, que fala sobre a divisão das duas Alemanhas, e a tentativa de um filho para que a mãe não saiba que o muro foi derrubado;
14- Anjo de vidro: É impressionante esse filme, conta a história de pessoas que não conseguem entrar no espírito natalino;
15- A vida é bela: apesar de ser um filme que tratou de forma performática e até cômica o holocausto, mas o filme encanta por um pai com força extraordinária para salvar o filho da morte e da realidade da guerra;
16- Uma outra história americana: tem como tema principal um líder de um grupo de skinheads que mata dois negros que na prisão percebe que o ódio racial que pregava só lhe traz prejuízos. Quando sai, tenta desfazer sua imagem, mas suas antigas idéias ficaram impregnadas no seu grupo e no próprio irmão;
17- Sociedade dos poetas mortos: assistir por causa da faculdade e me apaixonei pelo filme, tem um ator que adoro no elenco (Robin Williams). Mostra as relações de um professor que foi ex-aluno da escola com os seus alunos cheios de sonhos e vontade de viver intensamente, entretanto, encontram-se inseridos em um sistema acadêmico rígido e autoritário, não permitindo-os, com o pleno auxílio de suas famílias.
18- O caçador de pipas: filme que retrata sobre a amizade, e o valor que damos a ela, dentro de um país que retrata a invasão soviética ao Afeganistão;
19- Ghost- do outro lado da vida: Não posso deixar de falar sobre esse filme, é um dos que a pessoa não se cansa de ver, e retrata uma história de amor e um prato cheio quem quer saber mais sobre o Espiritismo;
20-Titânic: Falar de história de amor, não tem como não lembrar do filme Titânic, o final é de dá dor no peito de tão lindo. Apesar de todos os erros que teve, é um dos filmes mais premiados pelo Oscar, é inegável dizer que é um filme lindo, e são as três horas mais bem pagas de se assistir, sem contar a música na voz inconfundível Celine Dion em My heart will go on.
É isso espero que tenha gostado da lista.

Recomendo: O alquimista.

O Alquimista é o segundo livro do autor brasileiro Paulo Coelho. É um livro em que o autor continua a procura e luta pelo significado e pela verdade no mundo começada no primeiro livro, O Diário de um Mago. Tornou-se um best-seller internacional por causa do ingrediente sonho, pois quem não sonha.
O livro tem como personagem principal o jovem pastor Santiago que tem um sonho que se repete. O sonho fala de um tesouro oculto, guardado perto das Pirâmides do Egito. Decidido a seguir seu sonho, o rapaz se depara com os grandes mistérios que acompanham a raça humana desde a sua criação; o Amor, os sinais de Deus, o sonho que cada um de nós precisa seguir na vida.
E nessa empreitada ele encontra um misterioso personagem - um Alquimista,é esse quem irá ensiná-lo a penetrar na Alma do Mundo, e a receber todas as pistas necessárias para chegar até o tesouro.
O livro taz momentos de reflexão e até algumas vezes se assemelha a um livro de auto-ajuda, é um livro que te faz entrar na história, a imaginar todos os cenários e que ao terminar de lê-lo te faz idagar: Qual é a minha lenda pessoal?
Esse livro recebe algumas criticas por ter uma linguagem simples e cheia de clichês, podendo até ser chamado de livro infantil. Não concordo, pra mim é o melhor livro de Paulo Coelho dos que li óbvio ( Frida, 11 minutos e esse). É muito belo e brinca com a imaginação do leitor ( tenho a teoria a teoria que ele fumou alguma coisa para escrever esse livro - é uma viagem).
O alquimista é um livro que lhe diz para seguir seus sonhos.

De olhos fechados.


Guilherme já estava desesperado não tinha nenhum cliente. Já tinha uma semana no escritório.
Ele escuta a campainha, e olha a televisão do circuito interno e abre o portão eletrônico e fica a espera de sua mãe.



Capítulo 10.


Felipe e Guilherme estão num restaurante para comemorarem o primeiro dia no emprego novo, quando verem Pedro chegar com um carro.
-Nossa que beleza é essa? -Pergunta admirado Felipe.
-Eu comprei.
-Como foi o seu primeiro dia no emprego? -Felipe.
-Bem.
-Vamos pedir o quê? -Pergunta Guilherme.
-Me empreste o cardápio. -Pede Felipe o cardápio de Guilherme - Que tal 500 gramas de caviar?
-Tem lagosta? -Pergunta Pedro.
-Eu quero Escargot! -Fala Guilherme.
-500 gramas de caviar, lagosta, escargot e de sobremesa profiteroli e traga o melhor champagnhe que tiverem. -o garçom se retira.
-Com que dinheiro vamos pagar? -Guilherme.
-Cartão de crédito, eu fiz um logo quando me formei, sem limite.
Depois de jantarem pediram a conta que foi de R$9675,00.
Guilherme já estava desesperado não tinha nenhum cliente. Já tinha uma semana no escritório.
Ele escuta a campainha, e olha a televisão do circuito interno e abre o portão eletrônico e fica a espera de sua mãe.
-Mãe o que a senhora está fazendo aqui?
-O que uma mãe faz. Saber como está o filho.
-Já está me vendo, agora se retire.
-Por que você trata assim sua mãe? -ela chorando.
-Chega de sentimentalismo! A senhora vai estragar o tapete. É dinheiro que a senhora quer não é? Toma, toma... Toma. -ele jogando dinheiro no chão - Pega, pega! -ele gritando.
-Eu não quero o seu dinheiro. Eu só quero saber se você vai voltar pra casa.
-Nunca mais volto para aquele inferno. Quando você vai entender que eu sinto vergonha de você?! Olha você... Você é tão pobre, detesto ter o sobrenome Silva Santos Silveira!
-Nunca deixei faltar nada pra você.
-Não, eu que nunca dizia o que queria! -ele chorando - Quantas vezes eu quis uma calça de marca, um curso.
-Desculpe se eu não fui uma boa mãe.
-A senhora atrasou a minha vida. Vem comigo. -pegou ela pelo braço e catou o dinheiro e saiu do escritório, parou um taxi e deu o dinheiro ao taxista e jogou a mãe dentro - Leve ela até a rodoviária.
Quando eles notaram já tinha se passado um mês e receberam o primeiro salário.
-Você recebeu quanto? -pergunta Felipe para Pedro.
-R$2900...
-R$2900,00 mais R$4500,00 dá R$ 7400,00, menos R$1200,00, resta R$6200,00, menos a comida do restaurante R$3225,00 que dividimos em três vezes de R$3995,00.
-Eu peguei um empréstimo de R$4000,00 e dividir em quatro vezes, eu terminei gastando com a fiança do meu cliente que espancou a mulher.
-Menos R$1000,00, sobrou R$2995,00 para as outras contas.
Toca o telefone, Pedro atende.
-Alô... É para você Guilherme.
Guilherme atende.
-Alô... Hã?... Hum Hum. -ele desliga o telefone.
-Minha mãe faleceu. Eu tenho que ir para Brasília para liberar o corpo no IML.
-Eu vou com você. -Fala Felipe.
-Não!
-Agente sabe que você é rico coisa nenhuma. -fala Pedro.
Felipe e Guilherme foram a Brasília.
-Quanto é o caixão mais simples?
-R$1400,00. -fala o senhor da funerária.
-Um.
No IML Guilherme assina os papéis para liberar o corpo. Guilherme encontra Felipe cochilando sentado no banco.
-A autópsia deu o quê? -Pergunta Felipe.
-Morte natural. E o funeral deu quanto?
-R$5000,00. Você vai ficar até a missa de sétimo dia?
-Sim...
Guilherme decidiu ir até a casa dos pais.
-Você vai vender a casa?
-Vou... Apesar de achar que ela não vale nada.
Ele entra e começa a remexer nas coisas.
-O que você está fazendo?
-Minha mãe era tão burra que guardava as economias dela em casa.
Ele termina quebrando um jarro e vê várias cédulas de dinheiro, ele e conta.
-R$7000,00! Vai dá para pagar o enterro e o caixão.

Curtas urbanas.

Hoje com a modernidade os filhos têm que se conformar com o divórcio dos pais. Até aí "tudo bem", mas quando você já é crescidinho o que fazer? É isso que está acontecendo com Glauber, a mãe vai morar com ele, só que Júlia detesta a sogra e vice-versa.


Visita indesejada.

Júlia chega em casa e encontra a sogra no sofá assistindo TV.
-Boa noite querida!
-Boa noite... -ela chama Glauber com os olhos -O que é isso?
-Mamãe vai morar com a gente, meus pais vão se separar.
-E você não me avisa nada.
-Ela bateu na minha porta há uma hora, e seu celular só caia na caixa de mensagem.
-Eu fui assaltada Glauber!
-Jura? Não roubaram os cartões de crédito não né?
-Eu acabo de dizer que fui assaltada e você não me pergunta se me machucaram, onde foi.
-Nessa idade você já deveria estar acostumada com isso.
-Não quero ela aqui.
-Fala baixo.
-Ou a sua mãe ou eu. Se ela dormir aqui você não dorme comigo.
-É minha mãe! Quer que eu a expulse da minha casa.
-Se vira mané.
Ela vai se dirigir ao quarto.
-Querida prepare uma sopa pra mim. Mas não faça igual ao seu macarrão que parece folião do Chiclete com Banana, tudo unido.
-Ta querida. -sorrir, se vira para Glauber - Vou botar água sanitária na sopa.
-Querida o que aconteceu com os seus seios? Um ta maior que o outro. Mas uma coisa continua a mesma coisa, o seu estrabismo.
Júlia vai abrir a boca.
-Não. -Glauber.
Ela fecha os olhos.
-Tolera Júlia... Tolera. -ela entra no quarto.
Na mesa.
-Quem comeu o meu patê? -Júlia pergunta.
-Mamãe comeu.
-Eu comprei ontem 500 gramas de patê e ela devorou hoje em menos de 2 horas.
-É que eu estava comendo com biscoito querida. Quando vi acabou. E Glauber disse que era seu. Mas posso garantir que estava uma delícia.
-Você está com meus brincos.
-Combina mais comigo do que com você querida.
Ela fala no ouvido de Glauber:
-Vou na casa do seu Alaor, para que ele tire a vaca da esposa dele daqui de casa.
Ela vai se retirar.
-Vai aonde querida?
-Pro inferno! -bate a porta.
Na casa do seu Alaor, ele passa um creme para deixar o corpo hiper sensível ao toque, e passa bastante naquele sujeitinho entre as pernas. Ele está nu, toca a campainha. Ele coloca a toalha e abre a porta e Júlia o abraça chorando.
Ai Glauber está arrasado com a separação de vocês. Eu achava o casamento de vocês tão lindo. -soa o nariz num paninho.
E o senhor Alaor com os olhos fechados.
-Ai senhor Alaor você está bem? O senhor está tendo uns arrepios. -ela o larga.
-Licencinha.
Ele se tranca no banheiro, tira a toalha e vai de encontro com a parede.
-Ai... Ui! Ah... Ah...Arh!
Júlia bate na porta.
-Senhor Alaor o senhor está bem? Coitado está com dor de barriga, deve estar comendo super mal.
Meia hora depois.
-Não volto pra aquela jararaca, àquela mulher é um cão.
-Quanto você quer para recebê-la de volta? Ela tem 64, deve viver até os 70, no máximo 80. Custa viver com ela mais um pouquinho pela minha paz.
-E a minha onde fica?
-Esquece esse papo de novo amor. Mulher é tudo igual, na primeira noite diz que te ama, na segunda é indiferente, na terceira quer te ver morto. Mulher e igual menstruação querido quem não tem diz graças a Deus e quem tem quer se ver livre.
Em casa, Júlia e Glauber na cama.
-Ele está irredutível, disse que não volta.
A sogra começa a roncar.
-Ai já não bastasse não transarmos, ouvir as aventuras sexuais dos nossos vizinhos do apartamento de cima, ainda ouvir roncos da sogra. Eu devo ter cuspido na cara de Cristo na Santa ceia.
Ao amanhecer Glauber levanta e encontra Júlia consolando a mãe dele que está chorando no ombro dela.
-Ele me trocou por uma menina de 22 anos, ele tava dando até moradia a ela...
Quando volta do trabalho encontra as duas conversando como velhas amigas.
-Olha Glauber o que sua mãe está me mostrando, fotos da sua infância. O pintinho continua o mesmo, pequenininho. - vira-se para Suely -Não faz nem cócega.
-Eu conheci o Alaor numa festa, eu era meia riponga, tinha fumado umas e ele também curtia e aí fomos pro mato. Ele falava cada sacanagem no meu ouvido. -da risada.
-Tudo que eu mereço agora é ouvir a vida sexual dos meus pais. A senhora quer me traumatizar? Eu fui gerado sobre o efeito da maconha.
-Ta explicado Glauber porque você é meio lesadinho. -Júlia.
-Ah me lembrei de uma coisa. Um dia, ele com nove anos, encontrei ele no quarto com a pauzinho dele dentro da bota.
-Você se masturbava com botas Glauber?
-Ele era viciado, chegou até a furar uma. Mesmo ele com 16 anos ele continuava se masturbando com as botas, eu nem usava mais, porque metia o pé dentro e sentia logo aquela merda.
-Chega! -Glauber
-O que foi querido? - a mãe.
-Está explicado agora porque você não transa mais comigo, você gastou todo os eu vigor sexual com as botas.
-Tinha uma com estampa de onça que era a preferida dele, tinha salto longo e fino. Não me pergunte o que ele fazia com o cano longo fino da bota.
-Glauber você não anda comendo minhas botas não né?
Ele fica calado.
-Só faltava essa eu ser traída com as minhas próprias botas caralho!
-Se eu não me engano ele quando casou com você ele levou a Gertrudes.
-Ainda você dá nome às botas Glauber? Eu pensando que eu era a pervertida porque queria transar com todos os meninos da minha sala. Eu casei com um comedor oficial de botas. Glauber que nome você colocou nas minhas botas? Amanda... Luísa... Dafne, Margareth.
-Eu não faço mais isso.
-Por acaso é essa aqui? -ela com uma bota na mão e uma tesoura.
-Não, não faça isso. Você não pode ser tão má, Gertrudes não lhe fez nada.
-Ou é Gertrudes ou sou eu.
-Eu se fosse você não faria essa pergunta, talvez você não goste da resposta.
Toca o telefone.
Glauber atende, silêncio. Ele desliga.
-Papai sofreu um boa noite cinderela e está internado.
Glauber volta do hospital sem a mãe, Júlia estava o esperando.
-Voltaram.
-Graças a Deus.
Senta-se no sofá ao lado dela.
-Uma das botas se chama Júlia.
-Você deu o meu nome para uma delas?
-É que só penso em você.
Beijam-se e no sofá mesmo fazem...

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Mensagens sublinhares.

Um carro estaciona em frente a uma casa de dois andares. Saem do carro uma moça nos seus trinta e poucos anos e outro rapaz também na mesma faixa.
-Gostou da casa? -pergunta o rapaz.
-Grande pra uma pessoa só.
-Não pretende casar? Ter filhos?
-É quem sabe. Gostei do estilo da casa, parece antiga e acolhedora. Acho que fiz um bom negócio. -sorrir.
-Com certeza. Espero que seja muito feliz aqui.
-Por que os donos da casa não moram aqui? E por que decidiram vendê-la?
-Superstição. E a casa já tá a venda há 6 anos. Só agora um comprador se interessou.
-Por que tanto tempo?
-Ninguém quer morar aqui.
-Por quê?
-Aconteceu uma série de assassinatos aqui.
Ela começa a guarda as coisas dentro da casa. Depois toma um banho. Sai do banheiro.
-Tenho que providenciar um chuveiro elétrico pra essa casa.
A tarde ela faz uma faxina na casa. Vê umas manchas na parede, parecem rostos de crianças chorando. Ela tenta tirar, mas não saem. Tenta de novo, muda de produto e nada. Decide pintar a parede para apagar as manchas.
No final da tarde ela recebe uma amiga.
-Meu novo lar.
-Grande a casa. Mas acho ela meio sombria.
-Eu gostei. Sabia que morreu gente aqui?
-Deus é mais! E você ainda tem coragem de morar aqui?
-O que pode acontecer? Eu ver um fantasma? -ela dá risada - Os mortos estão mortos, tenho medo dos vivos.
No dia seguinte ela ao sair pra trabalhar é parada por uma senhora.
-Eu se fosse à senhora não continuaria nessa casa. Ela é amaldiçoada.
A noite ela acaba de tomar café. Liga a televisão e pega no sono, mas desperta com um barulho. Ela desliga a TV e passa pelo corredor e ver uma porta. Ela tenta abrir a porta, mas está trancada, pega uma chave de fenda e arromba a porta. Desce as escadas.
Ver porta-retratos de crianças e um baú. Abre o baú e encontra desenhos, uma boneca, livros infantis, roupas de criança. Ela vê um vulto. Guarda tudo no baú e sobe.
No dia seguinte ela começa a se arrumar para sair, coloca os sapatos sentada na cama, levanta a cabeça e ver no espelho a imagem de um garoto bem pálido com os olhos roxos. Ela olha pra trás e não há ninguém, volta a olhar para o espelho e a imagem desaparece.
À noite, ela ao dormir começa a ouvir choros de crianças. Ela leva os dois travesseiros ao ouvido.
-Ah! -ela dá um grito - Deixa eu dormir! -começa a chorar.
No dia seguinte ela chama um padre para benzer a casa.
-Obrigada. -ela se despede do padre.
Ela almoça com a amiga.
-Você tem que sair dessa casa. -a amiga.
-Eu chamo qualquer coisa para me livrar disso, padre, pastor, espírita, pais-de-santo.
Ela chama o corretor.
-Eu preciso saber o que aconteceu nessa casa. Eu apesar de não acreditar nisso, mas na casa está acontecendo coisas estranhas.
-Há 8 anos dois pais matam todos os seus 7 filhos. O pai foi preso e morreu na sua cela e a mãe se suicidou na casa da sua irmã, após quase ser lixada pela comunidade.
Ela ao acordar no dia seguinte ver marcas de arranhão na sua perna. Ela vai ao médico.
-Nunca vi isso. -o médico.
-Essas marcas vão sumir?
-Não sei dizer.
Ela está dormindo acorda e dá um grito por ver cobras na sua cama. Ela sai da cama. Ela chama uma empresa para retirar as cobras.
Ela vai até uma casa e toca a campainha.
-Oi, bom dia. -retirando os óculos escuros.
-Bom dia. Quem é você?
-Eu queria falar sobre Martha, sua irmã.
Ela vai fechar a porta.
-Espera!
-Eu não vou dá entrevista nenhuma.
-Eu não sou jornalista. Estou morando na casa da qual ela morou com os seus filhos.
Ela abre a porta.
-Eu queria saber mais.
A mulher começa a chorar.
-Entra.
Entram
-Eles mataram as sete crianças e os manteram por 20 dias dentro da casa. Eles eram usuários de droga. Eu não esperava que eles fizessem tamanha monstruosidade.
-Eu creio que eles estão tentando me expulsar da minha casa.
-Tenho isso aqui. São vídeos e reportagens da época. -ela entrega o material - Saia daquela casa é a única coisa que posso dizer.
Ela assiste na casa à fita de uma festa de aniversário de uma das crianças, uma menina de 11 anos. A família feliz cantando parabéns, o pai a carrega no colo.
Ela começa a chorar. A televisão se desliga sozinha. Ela pega o controle e tenta ligar, mas a TV não liga. Ela se levanta e aperta o botão da TV, e ela não liga.
Ela sente um arrepio pelo corpo, se vira devagar e ver uma menina que começa a soltar sangue pela boca.
-Ah!
No resto do dia ela começa a ler as reportagens, um dos jornais trazia a foto retirando o corpo de uma das crianças e outra o pai algemado dentro da viatura e uma entrevista com ele.
-Eles não obedeciam, perdi a cabeça... Acho que fui possuído. -ela lê.
Eram 4 meninos e três meninas, eles, um de 4 anos, outro de seis, outro de 15 e um de nove. Elas, uma de 11 e duas gêmeas de 7.
O mais novo foi afogado na banheira, ela se lembrou do menino do espelho. Ela fecha os olhos para tomar coragem para continuar lendo. O mais velho foi envenenado, o de 6 anos foi asfixiado e o de nove, morto a pauladas na cabeça. A menina do vídeo foi esfaqueada várias vezes e as gêmeas, morreram asfixiadas pela descarga do carro.
Ela afasta as reportagens e cobre o rosto com as duas mãos. Abre um diário.
-Não entendi porque mamãe gritou comigo, me chamou de menina má e queimou minhas pernas com a vela, só porque tentei... tirar as mãos dela do pescoço de Rafael. -ela lê e começa a chorar.
A mesa começa a tremer, e a porta a abrir e fechar alucinadamente, os livros caem no chão. E os vidros da janela se quebram e começa a aparecer uma frase na parede.
-Saia da nossa casa... sua vadia. -ela lê - Essa casa agora é minha! -ela grita.
E recebe um tapa que a leva ao chão, a desacordando.
Passam algumas horas, ela abre os olhos, não consegue se levantar. Começa a sentir falta de ar, como se algo apertasse o seu pescoço.
-Arh..Arh.
Era mais forte do que ela.
-Socorro!
O corretor chega na casa.
-Aline! -ele na porta.
Ninguém responde.
Ela tenta procurar algo no chão inutilmente. É como se tivesse uma multidão em cima dela.
-Aline! -ela ouve.
Ela tenta chamar o nome de Ricardo, mas não consegue.
Ele decide arrombar a porta, ele arromba e entra.
-Aline!
A encontra no chão e a abraça e ela começa a chorar e ele ver o pescoço dela com marcas de dedos de uma criança.
Ela na cozinha fazendo uma torta, ela se corta.
-Merda! -lava a mão, saindo sangue com água.
Liga o botijão e gira o botão do fogão e abre o forno. Algo começa a empurrar para dentro do forno, as janelas começam a se fechar.
Ela tenta tirar a cabeça de dentro do forno, o acendedor na mão dela, ela joga o acendedor longe e prende a respiração.
Ela consegue sair e respira fundo e desliga o botijão.
De tarde estende umas roupas que lavou. Entra em casa e ver a porta do porão aberta e ouve o som de uma bola caindo pela escada. Tenta ligar a luz do porão, mas ela não acende.
Pega uma lanterna e desce com ela e ver a bola no chão. Ilumina todos os cantos do porão. A porta se fecha e ela sobe correndo, não consegue abrir a porta, começa a bater na porta.
-Quero sair daqui!
Sente algo na perna, ela se vira e ilumina com a luz da lanterna uma menina, uma das gêmeas. Ela está sentada de lado no degrau com as mãos no ouvido, chorando, com marcas de uma surra nos braços.
-Boi... Boi... Boi da cara preta\ Pega essa menina que tem de careta. Boi... Boi...Boi da cara preta\Pega essa menina que tem medo de careta. -e continua cantando.
-Meu Deus. -ela desce escorregando as costas pela porta terminando agachada -Não... Não...Não. -chorando -Para!
A menina cantando mais alto, a lanterna apaga.
-Acende. -ela batendo na lanterna - Me deixem em paz!
A luz do porão acende e a menina não está mais no degrau. Ela se levanta e abre a porta.
A noite ela vai se deitar, fecha a porta do quarto e tranca logo em seguida. Se abaixa para ver pela fresta e vê os pés de uma criança em frente a porta.
Ela se levanta e deita na cama e reza.
Dorme, ela acorda no meio da madrugada e acende o abajú e ver as horas no despertador, 3:15. Vira-se e ver um menino sentado na outra ponta da cama.
Ela encolhe as pernas devagar, se levanta, não calça os chinelos e se coloca de frente pro menino, se abaixa para ficar na mesma altura que ele. Era o menino do espelho, o menino que foi afogado na banheira. Ela pega na mão dele, ele está de cabeça baixa.
Ele levanta a cabeça e olha para os olhos dela.
-Você é um menino mau. -diz ele e passa a tesoura no pescoço dela.
Ela cai no chão, começa a jorrar muito sangue. Ela coloca a mão no pescoço e ver a mão encharcada de sangue.
No dia seguinte ela com curativo no pescoço. Ela fazendo as malas.
-Eles conseguiram.
-É a melhor coisa a se fazer. -a amiga.
Ela fecha a mala.
-Me espera lá fora. Eu tenho que fazer algo antes.
-Vê se não demora. -a amiga se retira.
Ela desce as escadas, chega à sala, olha para todos os cantos da casa.
-Amanda, Cristina... Fábio..Flá..vio, Isis, Rafael, Mário... -os móveis começam a tremer -... Mamãe... os perdoa.
Os móveis param de tremer.
-Mamãe os ama. -chorando.
Ela sai da casa e abraça a amiga e entra no carro. Abaixa o vidro e ver pela última vez a casa.
Seis meses depois.
Ela sai do trabalho e passa numa banca de revista e pega um jornal.
E ler uma notícia: " A casa da Avenida Flemberg, onde sete crianças foram assassinadas brutalmente e com requintes de crueldade pelos próprios pais será demolida hoje a tarde às 15:30 para a construção de um prédio de 23 andares de um condomínio fechado que vai ser lançado em 2012 na Avenida".
Ela dobra o jornal e entrega o dinheiro ao senhor.
Caminha pela calçada e passa pelo banco de uma praça e alguém toca o seu braço, ela vira. Era uma menina de olhos azuis de uns seis anos de idade.
-Eu não te perdôo. –diz a menina para Aline.

Os melhores da TV na minha opinião no momento.

Melhor novela: Cama de gato, a novela tem uma boa trama, e desenrola diferente de Viver a vida. Aliás as novelas da Globo nesse momento têm deixado muito a desejar em relação as suas antecessoras.
Melhor ator: Sem dúvida Matheus Solano, ele que interpreta gêmeos na trama das oito, tem feito tão bem os personagens que parecem dois atores.
Melhor atriz: Alinne Moraes, ela que vive a Luciana na novela Viver a vida tem se destacado mais que protagonista, e pra mim ela é a protagonista da trama.
E outros com: Letícia Spiller está muito bom a personagem dela, dou muita risada com esse triângulo amoroso e não posso deixar de falar de Klara Castanho, a menina dá um show em muito ator pra mim.
Melhor programa jornalístico: Pra mim é Profissão repórter, mas como o programa não é exibido no momento fico com o Domingo Espetacular, o programa tem uma variedade, e um bom trio de apresentadores e tem deixado o que não é há muito tempo não é Fantástico no chinelo.
Melhor programa humorístico: Esse poderia dividir entre Pânico na tv e É tudo improviso, mas fico com É tudo improviso, que substituiu muito bem o CQC, o programa tem um ótimo elenco, o que falta é ser ao vivo, como a Band não vai colocar na Terça-feira ( que seria ótimo, por causa da má fase do Casseta em planeta -que perdeu a graça), pois Adriane Galisteu vai migrar da sexta pra terça, torço que o programa vá para as quintas-feira ( Band não coloque o programa na sexta, será burrice concorrer com Pânico e Globo repórter).
Melhor apresentador: O todo poderoso Sílvio Santos, não tem outro animador como ele. Quando todos pensavam que ele iria se aposentar, o cara volta com tudo. Ele é um ícone da Tv e quando se fala em programa de auditório não tem outro nome que venha a cabeça que não seja o senhor Abravanel ou SS.
Melhor apresentadora: Entre Angélica, Ana Hickman e Luciana Gimenez e Eliana, fico com Eliana. Primeiro tenho que explicar porque não Angélica, Angélica apresenta um programa pequeno de auditório, enquanto as outras não, descartei Adriane Galisteu, pois ela não emplacou nenhum programa como na Record antigamente. E escolho Eliana pela tragetória da carreira dela e por sempre se esforçar em trazer novidades para o domingo, Cinderela foi pra mim o maior acerto do programa.
Melhor reality show: BBB10, melhor elenco ( mais diverso), mas pra não é uma das melhores edições.
Melhor programa de auditório: Domingo legal, o programa e o SBT provou que consegue viver sem Gugu, o programa marca uma boa audiência para o horário, final da manhã e metade da tarde. Nossa Celso Portiolli dá um show de simpatia até mesmo no quadro assitencialista, já Gugu é sem graça, foi a melhor coisa que o SBT fez, em se ver livre do Gugu.
Pior burrice da TV: Tirar Sobrenatural para colocar Grossip girl, os telespectadores são totalmente diferentes. E dez para a Record que se aproveitou do vacilo do Sbt, que já estava se consolidando no horário.
Espero que tenham gostado da lista, e também comente que você colocaria para cada intem.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

De olhos fechados.




O escritório era um prédio de 17 andares, cinza-claro, com uma porta giratória. Ele entrou, tinha dois vigilantes, a recepção ficava a direita e coordenadoria a esquerda, em frente se encontrava dois elevadores. Por dentro tudo branco, ele entrou no elevador e chegou ao décimo primeiro andar.

Capítulo 9.


Felipe, Pedro e Guilherme num carro azul marinho.
-Lindo carro. -Fala Guilherme.
-Meu pai me deu de presente por conseguir passar na prova da OAB.
-Estamos indo pra onde? -Pergunta Pedro.
-Chegamos o nosso novo lar.
Era um prédio de três andares, com uma loja de roupas embaixo.
-Nós vamos morar juntos? -Pergunta Pedro.
-O aluguel é R$ 600,00, vamos subir. -subiram as escadas - Aqui é o seu escritório Guilherme, minha mãe que decorou e meu pai comprou os livros, já que você também passou na prova da OAB não poderia ficar sem trabalhar. Gostou?
-Claro...
Subiram outra escada.
-A casa está maravilhosa! -Fala Pedro.
Pela noite jantaram comida japonesa.
-Pedro você vai trabalhar aonde? -Pergunta Felipe.
-No Escritório Lenine Associados, o "ELA".
-Nossa que sorte você teve!
-Também com a nota que tirei na prova da OAB.
-Eu vou trabalhar no escritório ai embaixo? -Pergunta Guilherme.
-Sim, não gostou? -Pergunta Felipe.
-Está bem...
À noite para eles demoraram, estavam ansiosos para começarem a trabalhar, cinco anos de luta e esperança para realizar o sonho. Apesar de Felipe não querer ser advogado, profissão imposta pela mãe, por o pai ser advogado e Guilherme pelo dinheiro que a profissão garante. Pedro é o único que podemos dizer que sonhava em ser tornar advogado.
Amanhece, Pedro chega uma hora antes do marcado. O escritório era um prédio de 17 andares, cinza-claro, com uma porta giratória. Ele entrou, tinha dois vigilantes, a recepção ficava a direita e coordenadoria a esquerda, em frente se encontrava dois elevadores. Por dentro tudo branco, ele entrou no elevador e chegou ao décimo primeiro andar.
Quando ele olhou muitas mesas e várias pessoas andando como baratas tontas se assustou.
-Com licença. -ele parou um rapaz.
-Onde se encontra a senhora Marta Sheep?
-Parente?
-Sou um novo funcionário desse escritório.
-Advogado?
-Sim.
-Vá direto e vire à esquerda, você vai encontrar uma senhora alta, de cabelos grisalhos e olhos verdes.
-Obrigado.
Ele segue as instruções e encontra a senhora alta, de cabelos grisalhos e olhos verdes, com uma blusa amarela de manga comprida e uma saia preta abaixo do joelho.
-Marta Sheep?
-Sim, o que gostaria?
-Sou o novo funcionário desse escritório.
-Ah! Pedro Soares Viena?
-Sim.
-O senhor terá que descer para pegar o seu crachá.
Depois de Pedro ter pego o seu crachá.
-O senhor veio muito cedo, nem estava lhe esperando, marcamos 7:30 da manhã.
-Desculpa.
-Aqui a sua sala doutor Pedro Soares.
A sala tinha uma mesa, ar-condicionado, um tapete vermelho e uma estante de livros.
-O armário de processos se encontra na minha mesa e café fica ao lado da sua sala junto ao bebedouro, se eu não me encontrar me chame pelo inter-fone.
-Obrigado. -Ele sentou na cadeira giratória - Nossa! -pegou um lápis e começou a fazer a ponta no apontador, ele deu uma pequena folga na gravata e começou a sorrir -Nada mal, nada mal...
Felipe chegou ao novo escritório do pai situado no Leblon.
-Pai.
-Filho seja bem vindo! Essa é a Varlusca.
-Prazer.
-Não há de que.
-Ela é a secretária do escritório e recepcionista. Aqui a sua sala. O arquivo fica em frente da sua sala e a minha sala ao lado da sua.
O escritório tinha dois andares, com estacionamento na frente, era todo amarelo, no primeiro andar era um depósito, no segundo era o escritório. Logo quando entrava pela porta se via Varlusca no seu posto.
A sala tinha mesa e estante e dois quadros de Manabu Mabe, de abstratismo puro.
Sai da sala de Pedro a sua primeira cliente, ele se retira da sala.
-Deseja alguma coisa doutor Pedro Soares?
-Onde se encontra a sala do doutor Lenine?
-Ele se encontra no décimo sexto andar. -ele se retira logo ao saber - Mas... Ele estar numa reunião.
Pedro chega ao décimo sexto andar.
-O senhor não pode entrar aí.
-Com licença. - fala depois de entrar, todos o olham.
-Onde você pensa que está rapaz? -Pergunta doutor Lenine.
-Desculpe doutor Walter Lenine, mas eu preciso falar com o senhor.
-Não está vendo que estou numa reunião?
-Mas é urgente! -Ele fala alto.
-Quem é você?
-O novo funcionário do ELA.
-Ah! Me impressionei com as suas notas. Do que se trata?
-Por que o senhor me colocou a cargo da defesa do consumidor? Se eu quisesse trabalhar nessa área teria feito concurso para o PROCON e não trabalhar nesse escritório.
-Volte a sua sala meu rapaz e amanhã nos falamos agora se retire para não ser demitido. -Pedro se retira.
Guilherme continuou na sala sem fazer nada, ninguém apareceu, ele começou a ler os livros da estante.
Pedro saiu do escritório às 2:30 da tarde e ele enquanto estava andando parou uma limusine, era o doutor Lenine.
-Entre meu rapaz.
-Doutor Lenine? -ele entrou.
-Aqui alguns casos, leia atenciosamente e decida qual você quer.
-Obrigado doutor Lenine. -Pedro olhou para uma concessionária.
-Pare o carro motorista. Venha comigo meu rapaz. -Eles saíram e chegaram a concessionária.
-O que desejam? -Um rapaz.
-Escolha o carro meu rapaz.
-O senhor fala sério?
-Claro.
-Eu não posso fazer isso.
-Eu estou mandando, se não escolher vai ser demitido.
-Aquele. -ele apontou para um carro cinza escuro.
-R$ 60000,00. Gosto de gente ambiciosa. -ele assinou o cheque.
-O senhor comprou o carro mesmo.
-O seu salário é R$ 4900,00, só que você só vai receber R$2900,00, será esse salário por dois anos e meio, quando você terminar de pagar o carro.
Felipe abre o armário da sala do pai e encontra uma garrafa de vodka, uísque, conhaque e vinho. Ele faz um copo de uísque para ele e prova um gole.
-Filho o que faz na minha sala?
-Desculpa pai.
-Boa escolha um doze anos. -pegando a garrafa e fazendo um copo.
-Não sabia que o senhor bebia.
-Eu só não bebo em casa.
Felipe olha um processo em cima da mesa do pai.
-Pedofilia pai.
-É um caso de um técnico de clube jr em que os garotos dizem que foram abusados sexualmente por esse técnico.
-Mas são de que idade?
-7, 8, no máximo 10 anos.
-Pai você vai defender um caso desses?
-É um caso desses que dá dinheiro, não ficaria rico e conhecido se não defendesse casos que estavam estampados nos jornais! Não são merdinhas de casos que faz um nome de um advogado... Olhe para os bem sucedidos, sabem por que são bem sucedidos, porque se comportam como eu. Só advogados assim que se dão bem. É o dinheiro que faz a carreira de um advogado. Aprenda nem sempre você vai poder escolher os seus casos.
Felipe escutando o pai descobriu que nunca conheceu esse lado do pai.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Curtas urbanas.

Mariana é uma jovem de 30 anos que passa pela chamada crise dos 30. Não casou, não tem filhos. Acredita em amor a primeira vista, ela está toda feliz, pois marcou um encontro com o cara que lhe deu uma bolada na cabeça, causando a ela um traumatismo craniano.


O jantar.

-Esvânia esse vestido está bom?
-Você de rosa-choque dona Mariana?
-Por quê?
-Porque não é só ele que vai te notar, mas a torcida inteira do Maracanã.
-É melhor um pretinho básico né?
Ela se veste e vai para a sala e encontra a prima Abigail arrotando e se coçando vendo futebol.
-Não quero você aqui de noite tá, dispensei Esvânia para o pagodão. Então também desapareça.
-Tá querendo transar com ele?
-Não, não sou dessas que vai pra cama com um homem que conheceu na primeira noite.
Hum tá. Não dê o telefone a ele, espera ele pedir. E se der, espera ele ligar. E faz gostoso.
-Hã?
No restaurante.
-Você demorou.
-Eu tava... cuidando de uma afilhada, um amor de menina. -sorrir -Pediu o quê?
-Um pato grelhado, com um arroizinho e uma salada de maionese.
-Adoro maionese. -dão risada.
-Gostei do vestido, se pudesse arrancaria no dente agora.
Mariana se engasga com a água.
-Está bem?
-Estou... Tô.
-Faz o quê?
-Sou... sou fisioterapeuta.
-Hum, então eu vou querer uma massagem com essas mãos. -pega nas mãos dela.
-A comida chegou.
Quinze minutos depois terminam de jantar.
-Que tal agora o prato principal? Na minha ou na sua casa?
-Não tem nada pra comer na minha casa.
Ele dá risada.
-Não estou falando disso, mas disso.
-Ui. -ela sente algo entre suas pernas - O que é isso?
-Quer saber mesmo?
Ela bebe água.
-Quer mais vinho?
-Não, não, não. Já bebi demais. Perdi a conta.
No carro.
-Pronto em casa. Não vai me convidar pra subir?
-Tá uma bagunça lá.
-Quem disse que pretendo desfazer a bagunça?
Sobem.
-Vou botar uma musiquinha.
-Onde é o banheiro?
-Ali. -ele vai ao banheiro.
Ela vai à cozinha e pega cubos de gelo e passa pelo corpo.
-Ui.
Olha pra baixo e pros lados e mete uns por dentro da calcinha.
Ela toma um susto ao vê-lo nú na sala.
-O que é isso?
-Minha grossinha. Gostou? Vem cá vem.
-Peraê.
Ela começa a derrubar as coisas. Ele a encurra-la na parede.
-Não... Não... Não.
Ele beijando o pescoço dela, começa a descer.
-Sim... Sim... Sim. -ela com os olhos fechados.
Ele para e ela abre os olhos. Ela se ajeita e dá um sorriso sem graça.
-Faz sexo oral?
Desculpa, eu não faço. É muita coisa pra minha boquinha. Eu tenho medo de engasgar e terminar engolindo, mas admiro quem sabe usar a boca dessa forma. Em termo de sexo sou cristã ortodoxa.
-Eu sou espírita Kardecista ou de Umbanda. -da risada - Onde é o quarto?
A leva pro quarto e a joga na cama.
Cinco minutos depois, ele a penetrando.
-O que foi? -pergunta ela.
-Ficou preso.
-Ficou preso o quê?
-Aquilo.
-Minha nossa. Tira! Tem que sair.
-Não consigo.
-Ai meu Deus porque não escutei a minha mãe. -ela tenta a procurar a chave na cama - Ai cadê a chave
-Você está pegando a minha bunda.
-Será que conseguimos nos levantar? Pra ir até a janela chamar ajuda. Eu dispensei a empregada, ela só volta amanhã.
-Então vamos ficar a noite toda assim?
-Uma hora você vai ter que deixar de ficar com o pau duro e essa porra vai sair.
-Eu tomei seis comprimidos daquele do azulzinho.
-Puta que pariu. Vamos tentar falar de coisas brochantes. TV Xuxa.
-Preta Gil.
-Gripe suína.
-Cartão de crédito.
-Tô com dor de barriga.
-Diarréia. Não está funcionando.
Amanhece e entra em casa Esvânia.
-Ai dona Mariana!
-Ai Esvânia que bom que você chegou, chame ajuda. Estamos enroscados aqui.
-Ele ta pelado.
-Tá Esvânia. Você nunca viu bunda de homem?
Uma hora depois, eles são retirados por maca, e imprensa fotografando e filmando tudo e bando de curiosos.
-Ai que vergonha.
-Pelo menos está tirando foto da sua cara. E a minha? A minha bunda vai estar em todos os jornais amanhã.
-Bem feito, culpa sua. Quem manda ser anormal.
-Você que tem uma buceta pequena.
Uma senhoras.
-Nunca vi isso.
-Isso o quê? Homem pelado?
-Não, alguém ficar preso, ai você sabe.
-Ela não me enganava com aquele jeitinho de santa.
Abigail e Esvânia do outro lado.
-Isso aconteceu para confirmar minha tese, existe para cada xoxota um pinto adequado, tipo P, M, G, GG, sabe.
No hospital Mariana no quarto, entra Abigail.
-Que vergonha -Mariana.
-Querida pense no lado positivo, você realizou um feito. Quantas mulheres não queriam permanecer com um pau duro dentro delas por 7h e 35 min. Pesquisei até no Google para ver se seu feito poderia a colocar no Guiness book, mas uma mulher ucraniana já tem o record de 12 h e 20 min.
Entra Flávio.
-Ele pediu desculpas pelo transtorno. Não sei por que esses homens temem tanto e vão buscar esses métodos, se são sadios.
Mariana volta ao apartamento de óculos escuros, pega o elevador correndo. Iriam entrar umas pessoas, mas ela fecha. Sai e sobe as escadas sem olhar pra ninguém e entra em casa, senta no sofá.
-Devoradora de pau! -uma voz lá de cima.
Abigail senta ao lado dela.
-Nunca mais ponho os meus pés na rua.
-E querida, logo logo esquecem.
-Quando você vai embora?
-Está me expulsando?
-Você disse que iria ficar um mês aqui, mas já se passou quatro meses.
-Eu sou o seu amuleto da sorte pra homem.
-Desde de quando? Botei fogo numa casa de stripper masculino, tive traumatismo craniano e fiquei conhecida como devoradora de pau.
-Ai é assim né? Magoei.
-Esvânia se assustou ao ver a bunda de um homem. Acho que ela nunca viu homem pelado.
-Tenho a teoria que ela é virgem. Qual era o tamanho? Flávio me disse que sem ereção o negócio já era grande, tipo até o meio da coxa.
Mariana começa a falar.

Não é preciso ler.

Não precisa de baseado para se divertir
Não precisa de álcool para estar legal
Não precisa ser bandido para que uma bala lhe atinja
Não precisa estar namorando para sofrer de amor
Não é preciso dinheiro para ser feliz
Não é preciso Igreja para se crer em Deus
Não é preciso uma piada para rir
Não preciso politico para se dar uma solução ao país
Não precisa de televisão para haver distração
Não é preciso dor e perda para se fazer uma reflexão
Não precisa de polícia para se ter segurança
Não é preciso amar igual a todo mundo
Não é preciso também amar todo mundo porque lhe dizem isso
Não é preciso regras para se ter organização
Não é preciso retribuir na mesma moeda para quem lhe machuca
Não é preciso anular voto para mostrar-se indignado com a política
Não precisa de palavras se pode dizer tudo com o olhar
Não é preciso comida para estar saciado
Não é preciso desgraça para se mostrar solidário
Não é preciso aborto se há camisinha
Não é preciso a morte para ser lembrado
Não precisa criar cachorro para depois abandoná-lo
Não é preciso estar mais velho para mostrar sabedoria
Não precisa ter vergonha por ter saudade da infância
Não precisa ser beijado e abraçado para beijar e abraçar
Não é preciso carregar nove meses alguém no útero para ser chamada de mãe
Não é preciso ler isso para por em prática isso.

Central blogs

div align="center">Central Blogs

Colméia

Colmeia: O melhor dos blogs

Ueba

Uêba - Os Melhores Links