Pesquisar este blog

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Recomendo: Luísa ( Uma quase história de amor)

Livro de maria Adelaide Amaral, não me lembro o ano em que foi publicado, mas a obra se passa no finalzinho da ditadura militar. O livro traz diálogos interessantes, um recurso bem explorado pela autora que eu adoro.
Mas o que é interessante na obra é que a personagem principal Luísa, ela é caractrizada, esboçada não por lea mesma e nem pela autora, mas por personagens que a rodeiam, como a amiga, o apaixonado fetichista, o amigo gay, o ex-marido e o amante.
Eles que vão montando essa Luísa que ao mesmo tempo que é forte, é tão frágil, ao mesmo tempo que é decidida, fica tão indecisa, acolhedora, amiga, vingativa, doce e tão má as vezes.
O livro não é linear e o texto algumas vezes se confunde com a própria fala das personagens, para cada personagem citado acima é dedicado um capítulo e conta uma fase da vida dessa Luísa ( ou Luísas), então o mesmo fato vai ser contado em todos os capítulos só que de acordo com o tal personagem que intitula o capítulo.
Os cinco ou quatro capítulos restantes são bilhetes trocados entre Luísa e essas personagens ou outros personagens que aprecem no decorrer do livro. E é através desses bilhetes e o último capítulo do livro que é a agenda de Luísa, é que temos mais aproximação dessa personagem, para o leitor enfim caracterizar quem é essa Luísa de acordo com ele mesmo.

Otage- Capítulo 14

No outro dia não houve mais chuva e fizeram um tour na cachoeira de vista Alegre. escalaram a queda d'água.
-Parece que ele tá a fim de você. -Ingrid fala com Manuela sobre o guia. -Ele tem uns olhos verdes lindos.
-Meu coração já tem dono.
-E posso saber quem?
-É complicado.
-Dúvido que seja mais complicado que a minha.
-por quê?
-O analista me abusou sexualmente, e eu gostei, e estou tendo um caso com ele, eu não vou fazer consulta, eu vou na clínica para realizar as taras dele, ele é casado e não vai se separar da mulher por causa de uma nifeta.
-Ei não vão entrar na água? -Heitor.
-Com licença. -Ingrid.
-Quer sair comigo? -O guia.
-Eu tenho coisas mais importantes a fazer. -se retira.-Deixa eu te ajudar Marcos.
-Obrigado.
Montam o pique-nique.
-Você precisa emagrecer prima, assim você não vai arranjar namorado. -carolina diz a manuela.
-Obrigada pelo conselho prima.
carolina beija o namoreado, manuela se retira.
-tadeu. -o guia vira-se para ela -Desculpa, aceito o convite.
Ela o beija.
-Eu te busco a noite. -ele se retira.
ela limpa a boca.
-Ai abelhas.
-O que foi caio?
-eu sou alérgico a abelhas.
-Ai me ralei toda na descida dessa maldita cachoeira. -Elís se aproxima.
-Deixa que eu faço o curativo.
-Maldita cachoeira, detesto mato.
-Não sabe o que a Ingrid me contou.
-Te contou o quê?
-Ela tem um caso com o analista dela. -rir.
-Ai está ardendo.
-Ela foi estuprada por ele e gostou o que é pior.
-É o velho que vimos?
-Sim, aquela coisa mesmo.
-Por isso que não transo com qualquer coisa, prefiro eu mesmo me dá prazer, eu sou gostosa mesmo, tenho orgasmo em só me olhar nua no espelho.
-Posso saber o que tanto conversam?- Pedro aparece.
-Coisas de mulher maninho.
-Está bem? -Bruno vai falar com Elís.
-Estou.
Ele a beija.
"Assim você não vai arranjar namorado".

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Otage-Capítulo 13.

-Já sei o que você fez com a Roberta.
Pedro entra no quarto e pega Manuela pelo braço. e a joga na cama.
-Ela não vai mais nos incomodar.
-É, mas você esqueceu do Marcos. Se ela contar tudo a Marcos.
-Ele não acreditaria numa detenta.
-Marcos é um garoto tímido, adora ver justiça, frágil, carinhoso, companheiro, inteligente, solidário... Você tem certeza que ele não acreditaria?
-Sim, então o que fazemos?
Toca o celular de Pedro.
-Alô... Pode voltar. -ele desliga.
-O que foi?
-Marcos esteve aonde está Roberta, e ela concerteza deve ter contado tudo.
Pedro faz uma ligação de celular.
-Alô... Marcos você pode passar aqui? É uma coisa que Carol queria lhe dá... Está bem, estou lhe esperando. -desliga e sai do quarto.
Manuela começa a chorar temendo que esteja certa do que pode vim acontecer.
Passa-se meia hora e Marcos chega.
-Marcos. -Caio.
-Aqui. -Pedro dando um pacote a Marcos.
Marcos dá-lhe um soco, e ele cai na mesa, a quebrando.
-Marcos, está louco? -Bruno.
-Eu já sei de tudo, me digam que é mentira que vocês mataram a Carolina. -chorando.
Todos ficam calados.
-Não.
-Era para ser uma brincadeira. -Heitor.
-Que tipo de amigos vocês são? Aliás se pode chamar vocês de amigos.
-Marcos esfrie a cabeça. -Pedro.
-Não, vocês mataram a mulher que eu amava, vocês esqueceram o quanto ela gostava de vocês, e eu vou esquecer que um dia eu já fui amigo de vocês. Eu vou vou fazer vocês pagarem,nem que tenha que ser a última coisa que eu faça em vida..
-Marcos, nós nos arrependemos, todos sabem aqui o grande erro que cometemos, se aquele episódio se repetisse, não tornaríamos a agrir como agimos. -Elís.
-É Marcos, cada um aqui daria a sua vida para ter outra vez Carol aqui. -Ingrid chorando.
-Se vocês se arrependeram, provem, se entreguem, confessem.
-E acabar com as nossas vidas Marcos. -Aparece Manuela.
-Lamentamos a perda da Carol, mas nós não vamos para a cadeia. -Pedro tira uma arma do bolso e atira várias vezes.
Marcos cai no chão.
-Porra o que você fez? -caio. -Você o matou.
-Coloquem o corpo no banheiro, anda! Limpem a sujeira Ingrid e Elís.
-Eu não vou lhe perdoar. -Manuela.
-Ele também não te perdoaria.
Batem na porta, Elís vai atender.
-Desculpe, mas ouvimos som de tiros.
-Tiro? Meu Deus!Onde?
-Não é aqui?
-Não, eu nem ouvir.
-Está bem, desculpe.
Ela fecha a porta, ela se encosta na porta.
-Como vamos tirar o corpo daqui?
Ingrid e Caio ainda estão chorando.
-Vocês podem parar. -Heitor.
-Vamos esperar cair a noite.
A umas duas horas da manhã, Bruno e Heitor pegam o corpo e colocam no porta-mala e entram todos no carro e vão na cachoeira. Haviam vários barcos ancorados para passeio.
Amarram o corpo no barco e jogam gasolina no corpo, cada um acende um fósforo e jogam no barco, soltam o barco.
-De onde você tirou isso Pedro? -Pergunta Bruno.
-Os egípcios ao completar as meninas 14 anos, as famílias faziam uma oferenda a um deus para não destruir a plantação.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Otage- Capítulo 12.

Manuela sentada a uma mesa numa sala, chega acompanhada por um policial Roberta.
Roberta senta e o policial se retira.
-Soube que você vai sair daqui a três dias e decide visitar a minha melhor amiga.
-Você acabou com a minha vida.
-Eu não sei do que você está falando.
-Eu vou provar que vocês mataram a Carol.
-Se vingue pelo seu amor não realizado, que comovente. Carol nunca iria querer você, primeiro que ela não é lésbica, segundo que você é um dragão, agora entendo o porquê da sua opção sexual.
Roberta se encontra chorando.
-Cuidado ao dormi, você pode amanhecer com um rosto melhor.
-Acabou a visita.
manuela se retira e pega o carro e vai num barzinho e senta a uma mesa e tira o óculos.
-O que o destino me reserva tadeu? não tem nada a falar? Ou você não sabe prever o futuro?
-Se retire por favor Manuela.
-Já pensou se seus clientes souberem que você os engana?
-O que você quer?
-Bom menino. Eu quero que você me recomende uma pessoa que possa arranjar documentos e dinheiro falso e eu sei que você conhece pessoas que podem fazer isso. Você acabou com sua vida depois que descobriu que era soropositivo.
Ela depois entra num poso de gasolina.
-Aqui, está preparado para fugir meu marido? -ela abraça Pedro e o beija.

terça-feira, 26 de maio de 2009

Carne fraca -segunda parte.

Verônica foi até o hotel, foi de óculos escuros com medo de ser reconhecida.
-Quarto 02. -a voz quase não saía.
-Ele já está esperando.
Ela subiu para o quarto, a porta estava aberta, ela entra e bate a porta.
Ela no supermercado com a amiga.
-eu trair Celso.
-O quê? Me conte detalhes onde?
-Assim você vai me fazer sentir pior.
-Desculpa. Foi com o bonitão do aquiteto?
-Foi. Estou me sentindo a pior mulher do mundo.
-mas quem sabe isso ajuda o seu casamento, dá um novo tempero esse sentimento de culpa.
ela chega em casa e guarda as compras, chega Augusto e fala no ouvido dela e aperta com uma das mãos a verilha dela, a abraçando.
-Quero repetir no mesmo hotel. -Se retira.
Um certo dia.
-Hoje eu que faço o almoço. Deixa Verônica? -Pergunta Suzana.
-Claro.
Verônica se senta a mesa de frente para Augusto.
Suzana se retira para a cozinha.
-Eu vou lána cozinha ajudar a Suzana dizendo onde estão as coisas. -Celso.
Verônica por debaixo da mesa roça a perna na perna de Augusto.
Celso chega na cozinha e beija Suzana, a põe contra a parede de costas para ele e suspende a saia dela.
a noite, o som ligado, Celso tomando um vinho e Augusto deitado no sofá.
-Acho que Suzana está me traindo.
Celso vira-se para ele.
-E você desconfia de alguém?
-Não, mas mato ela e ele no dia em que eu saber.
Celso engole a seco a resposta de Augusto.
-Vocês demonstram serem tão felizes.
-Nem tudo parece o que é, até os casais felizes passam por tempestades.
Verônica se arruma para dormir e olha da janela Suzana e Augusto na piscina transando. ela se vira para o marido que já estava na cama.
-Suzana e Augusto estão transando na nossa piscina. -ela se senta na cama.
-A cara deles.
-poderíamos um dia também fazer amor na piscina.
-O que você quer? Que transemos na piscina, no mato, no chão, na mesa, como dois animais no cio. -ele se vira.
-O problema nosso está aí. Não temos mais tesão um pelo outro.
Ele se levanta e fala bem de junto do rosto dela.
-O nosso problema está no que as pessoas dizem, o filho que ainda não veio.
duas semanas depois, Verônica vomita no vaso sanitário. Antes de ir para o trabalho ela compra um teste de gravidez na framárcia.
Ela ao chegar no trabalho, encontra Amanda na biblioteca e se senta na mesa onde está esta.
-Bom dia dorminhoca. Chegou atrasada.
-Passei na farmácia. Eu estou grávida.
-Menina me conte isso direito.
-Gravida. O que você não entendeu?
-É do Celso?
-Acho que não, eu transei mais com Augusto do que com o Celso.
-Não sei porque você está assim, você acabou de resolver dois problemas, o filho que não vinha e a aventura que você queria viver.
A noite ela contou a Celso o filho que ela está esperando, a reação dele ela já esperava, ficou radiante de felicidade, transaram, mas ela não conseguiu sentir prazer estava se sentindo a pior cretina que poderia existir.
No fim de semana chamaram a família para comunicar a notícia, presentes, pessoas querendo colocar a mão na barriga.
-Esses hóspedes não vão sair da sua casa não filho? Já são três meses que eles estão na sua casa.
-Mãe você quer o quê? Que eu os expulse? -Celso.
Verônica bebendo um drink se aproxima de Augusto.
-Não vai perguntar se o filho é seu?
-Nunca gostei de crianças, deixo esse pael para quem gosta. -Se retira.
Verônica acorda durante a noite e não encontra o marido na cama, desce e ver Suzana e Celso transarem no sofá.
No dia seguinte, ela preparando o café, se aproxima Suzana.
-Vagabunda você transou com o meu marido. -Verônica.
-Quem é você para me julgar? Até onde sei você também foi pra cama com o meu marido.
Um certo dia ao chegarem em casa Verônica e Celso, ele a levou ao médico para ver como está o bebê. Encontram Augusto no sofá chorando.
-Onde está Suzana? -Pergunta Augusto.
-A expulsei daqui, ela me traiu, e eu não descobrir o outro filho da puta.
Eles levam Augusto para o quarto, não comentaram nada, toca o celular de Celso e após Celso desligar toca o de Verônica.
Celso se encontra num carro com Suzana.
-Espero que esse cheque a faça se afastar de mim, da minha vida, da minha família.
-Dez mil não é muita coisa, mas pra quem não tem nada. Agora entendo a insatisfação da sua esposa. Você éfrio, todas as mulheres podem provocar orgasmo em você, já você não pode provocar orgasmo em todas as mulheres. -Se retira.
Ela em seguida pega um ônibus e encontra-se com Verônica.
-Só posso entregar essas jóias, creio que Celso não vá dar por falta delas.
-Espero que sejam verdadeiras.
-Vai pra onde?
-Voltar pra casa. Minha mãe vai encher o meu saco quando descobrir o motivo da minha separação. O que você sente ao transar com augusto?
-Quer saber mesmo? Tesão. Está satisfeita?
Verônica transa com Augusto, este em cima dela gozando fala.
-Não posso mais ficar na sua casa. Fuja comigo.
o pedido foi inrrecusável, ele partiu pela manhã e ela aproveitou que o marido foi trabalhar, ela fez as malas e foi para a rodoviária, passou meia hora, uma hora, duas horas e ele não apareceu.
Celso ao chegar em casa ver que não há mais roupas da sua esposa no armário, encontra uma caixa cheia de bilhetes, abre um bilhete: "Me masturbei pensando em você, foram três orgasmos sucessivos", abre outro: " "Ontem ao fazer amor com a minha esposa, quase a chamo pelo seu nome, estou louco por você", ele abre outro e outro: " Eu noto que você me deseja, me come com os olhos".
Senta na cama.
Ao final do dia ele recebe uma ligação da mãe de Verônica informando que a filha se encontrava lá na casa dela.
Ele foi para lá e a encontrou na varanda da casa chorando, ele se senta ao lado dela.
-É dele não é?
Ela faz com a cabeça que sim.
-Eu também a trair.
-Eu sei.
-Não foi a primeira vez, eu tenho uma filha fora do casamento.
Ele a levou até a casa da sua outra família, ela no carro ainda, olha ele bijar a outra esposa e carregar no colo a filha de quatro anos.
Ele depois volta para o carro, Verônica ainda chorando.
-Se você quiser eu crio essa criança, tentamos outra vez.
Um ano depois.
Numa festa de mãos dadas Verônica e Celso.
-O casal mais lindo. -Uma senhora fala.
-Ai assim você me deixa ruborizada Dona Anair. -Verônica - Oi amanda, oi Cláudio.
-Vocês precisam passar um tempo na minha casa de campo. E eu não aceito não como resposta. -Dona Anair.
-Pra mim convidadissimo. -celso.
-Você também tem que ir Cláudio e nem pense em fazer essa desfeita Amanda.
-Aonde eu perderia a oportunidade de conhecer a sua casa de campo. - Amanda.
--Eu também vou. -Cláudio.
-Essa é Rita, a minha filha que cuida da casa de campo pra mim.
Rita bebe o vinho olhando para Celso, este a olha, quem observasse direito veria que ele piscou para ela.
Verônica sai para a varanda, logo em seguida Cláudio.
-Por que não recusou?
-Eu perderia a oportunidade de ficar com você no campo? -beija a nuca dela.
-Aqui não, podem ver. Até que será interessante essa viagem. -sorri para ele e volta para a sala.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Seis noites de amor numa noite insônia gelada



Na primeira noite você vem e me diz que me ama
Eu só pensando em te levar para a cama
Fazendo amor com tudo que temos direito
Eu ejaculando no seu peito
De cachorrinho, papai-mamãe, não importa o jeito
Eu só te comendo
Na segunda noite você me enoja
Me contando das suas outras aventuras amorosas
Que bom que não sou homem de oferecer rosas
Entre as suas pernas iria morrendo
Aproveitando cada momento dos nossos orgasmos conjuntos
Na terceira noite você me provoca perguntando
Se eu já amei alguém
Digo que fujo de compromissos, que não sou nem um pouco solicito
Que eu não desejo me amarrar
Vamos parar com o interrogatório e gozar até ficar sem ar
Na quarta noite te deixo na mão, você se masturba e nem me excito
Não vejo mais nós dois juntos
Na quinta noite inventamos uma nova posição
Transamos ao ritmo de uma nova canção
Na sexta noite nos olhamos e descobrimos
Somos completamente desconhecidos um para o outro
Você tenta me ensinar uma nova lição
Eu provoco uma parte do seu corpo para levá-la ao chão
No chão nos entendemos, com a nossa atuação ficamos envaidecidos
Acordo, o lençol molhado já não me satisfaz
E a minha mão não mais contem o teu nome
Que noite fria!

terça-feira, 19 de maio de 2009

Carne fraca -Primeira parte.

-É fato que a traição é um tema bem antigo, por isso mesmo se criou códigos de regra como O antigo testamento, principalmente entre judeus, gregos e romanos. Antigamente mesmo se você trísse sua esposa com uma escrava ou uma serva ou uma prostituta, isso não era considerado como um ato de infidelidade,na Idade Média os maridos não poderiam obter prazer com as suas esposas, pois isso era condenado pela Igreja, ai corriam para as prostitutas. E a mulher? Essa não tinha direito a nada, e também não sentia nada.
Toca a sirene.
-Até a próxima aula e na próxima aula eu vou contar a História da mulher que mais traiu na Roma Antiga, se lembrem que haviam vários casos de damas da aristocracia que tinham casos com gladiadores..
Verônica poderia não reclamar da vida, é professora de História Antiga, famosa com vários livros escritos, ensina na melhor universidade da cidade, casada com um homem lindo, não tem nada de errado com o corpo dela, apesar de já ter 33 anos, ninguém diz que ela tem essa idade. Mas não julguem ela caro leitor, ela jogaria essa vida toda fora por uma aventura,o desejo de voltar a se sentir desejada.
O casamento dela aparentemente feliz é um tédio, monótono. Dizem que a culpa é o filho que ainda não veio. Ela se cansou de ser a esposa perfeita, gostaria de errar algumas vezes.
O seu marido, Celso, não culpem elecaro leitor, não é por falat de amor, ele a ama, realiza todos os desejos dela. mas também sabe que após dez anos de casado, o casamento esfriou. Ainda tem a cobrança da família do filho do casal que ainda não veio. Ele é instrutor de uma acadêmia, gosta de correr pela manhã no bairro.
Ao meio dia entra em casa, enchuga o rosto na toalha, beija a esposa, esta já estav em casa para preparar o almoço., como todos os dias fazia.
-Adivinha quem vai se hospedar aqui?
-Não estou com cabeça para adivinhações.
-Augusto. O meu ex-colega do ensino médio. Ele vem passar uns dias aqui com a sua esposa Suzana.
Ele nota que ela não gostou da notícia.
-Não gostou?
-Hospeddar desconhecidos na nossa casa.
-É o meu amigo.
-Seu amigo. Eu tinha esquecido que não temos amigos em comum. Aliás o que temos em comum Celso? Todos perguntam a mesma coisa. Desculpa, estou nervosa. Tive um dia cheio. E onde eles vão ficar?
-No quarto lá em cima, é só tirarmos as coisas de lá, dá uma arrumada e limpar.
A tarde arrumaram o quarto.
-Por que não joga esses livros fora?
-São livros da minha época de faculdade, esse é um exemplar raro escrito em francês do mazdeísmo. Mas perco tempo em te explicar coisas que você nunca vai entender. se retira.
No dia seguinte, dia chuvoso, chegam os visitantes. Eles entram correndo, molhados.
-Como foi a viagem até aqui? -Pergunta Celso.
-Se não fosse a chuva, diria que foi maravilhosa. -Augusto.
-Moram aonde? -Pergunta Verônica.
--Estamos morando em Belo Horizonte. -responde Augusto.
-Onde colocamos as malas? -Pergunta Suzana.
-Acompanhem-me. -Eles seguem Celso.
Verônica fica, observa os hospedes.
A noite Verônica e Celso na cama não dormem, o casal de hospedess que está no quarto acima do deles, fazem amor, e não deixam eles dormirem, com os gemidos, risadas, orgasmos sucessivos. Eles ouvem com uma pontinha de inveja.
No dia seguinte, Verônica coloca a mesa para o café, se aproxima Suzana e senta-se a mesa.
-Desculpa por ontem, acho que incomodamos.
-O que aconteceu ontem? Eu peguei no sono rápido, não ouvi nada.
-E vocês trasaram ontem?
Verônica se surpreende com a pergunta.
-Por quê? Temos que transar todos os dias?
-Um casal que se ame, sim. Como são vocês na cama? Discretos, safados, puritanos ou libidinosos?
Verônica se senta.
-e você eo Augusto?
-Somos dois putos, adoramos putaria. -ela sorrir.
Chegam Celso e Augusto e elas mudam a conversa.
-Você tem que me dá a recita desse bolo.
Suzana olha para Verônica.
-Claro. -esta responde desconcertada.
-A casa de vocês é muito bonita. Quem a decorou? Aposto que foi sua esposa Celso, na época que estudávamos juntos você não tinha esse bom gosto.
-Minha esposa, não gosto da decoração, acho antiga demais, ela ensina História Antiga.
-Não, a casa mostra-se bem acolhedora.
-Perdoem o Augusto, sabem os aquiteto, sempre observando se está tudo no lugar certo, harmônico, economizar espaços.
-E você Suzana faz o quê? -Verônica.
-Sou artista plástica.
-Interessante.
Depois Verônica foi receber a amiga na varanda de casa, tomaram xícara de café, Augusto estava na piscina.
-esse amigo do seu marido é um gato.
-Jura? Nem notei.
-O quê? Mentira, com a crise que você está passando no casamento.
-Que crise que estou passando Amanda?
-Já que eles transaram sem nenhum pudor na sua casa. Por que você e o seu marido não propõem uma suruba?
-Que absudo Amanda.
-Eu não perderia essa oportunidade, já vou indo. -se beijam no rosto -Me ligue a noite- se retira.
Augusto sai da piscina, arruma a sunga, ela não tinha notado que ele era forte, tinha uma tatuagem na verilha, só dava para ver uma parte dela.
-A água da piscina é maravilhosa.
-É -ela fala após algum tempo.
Bebe o suco para se esfriar e alisa o pescoço.
Augusto e Celso assistem jogo de futebol pela tv. Verônica lava os pratos.
-Homens quando tem duas beldades em casa perdem tempo para ver um monte de coxas de homens. Quem vai entendê-los?
-Nem Freud explica.
-Por que não tiveram filhos?
-Não foi por falta de tentativas, enseminação... várias experiências frustantes. -ela fala emocionada -Mas não veio, fazer o quê?
-Vocês são jovens ainda. Eu e o Augusto não queremos ter filhos. Acho que filho atrapalha, tira o tesão do casal.
No sofá.
-Você tem uma esposa muito bonita -Augusto fala.
-A sua também é.
-Já a traiu?
-Por que essa pergunta?
-Acharia você louco se a traisse, sua esposa é perfeita.
Mais tarde Celso vai ao banheiro e pega suzana nua.
-Desculpa -ele se vira.
ela se enrrola na toalha e se retira para o quarto, ele vai até a porta do quarto, olha pela fechadura ela vestir a calcinha, passando um creme por todo o corpo, alisando os mamilos, dá as costas a ele e coloca os cabelos loiros cacheados para o aldo, dá para ver a tatuagem, deve ser a tatuagem que Augusto disse que ela tinha, o nome dele tatuado.
Ele começa a se excitar com o corpo nú da esposa do amigo, abaixa o eclé da calça e começa a segurar com a mãoo seu sexo, o aperta com mais força, suando, quase se desvanecia com o prazer que isso provocava.
No dia seguinte Verônica levanta mais cedo como de costume, e ver na mesa um bilhete:
" Noto em seus olhos que não é feliz. saiba que desejo a sua boca".
-Bom dia amor.
ela esconde o bilhete assustada.
-O café já está pronto.
Ela sobe e entra no quarto. Abre o bilhete novamente, ler cada palavra novamente, sorri e fecha os olhos, deita na cama.
se levanta e se aproxima do quarto dos hospedes, a porta está entre-aberta, ela olha de relance com medo de ser vista, se encosta na parede, ele estava beijando o sexo da esposa, ela se abraça e desce para não se atrasar.
Após uns minutos desce Suzana.
-Augusto ainda vai ficar na cama. Celso você pode me levar no seu carro até o shopping?
-Claro.
No carro.
-Por que você não transa todos os dias com a sua esposa?
Ele quase dá uma freada.
-a sua esposa é bem atraente, eu transaria com ela todos os dias.
Chegam no estacionamento do shopping.
-Tchau, eu pego um táxi para voltar. -Ela sai do carro e dá um selinho em Celso, o deixando sem palavra.
No dia seguinte, antes da hora em que Verônica acorda normalmente, ela foi até a mesa para ver se tinha outro bilhete, caro leitor você não calcula o quanto isso a excitava, ela ficava molhada a noite só a imaginar o conteúdo do próximo bilhete, ela abre o bilhete:
"Ontem me masturbei pensando em você, foram três orgasmos sucessivos".
A noite Suzana desce de camisola, abre a geladeira e pega uma garrafa de água, enche um copo, bebe a água toda, guarda a garrafa, ao fechar a porta da geladeira ela ver Celso.
Ficam parados um olhando para o outro, Celso estava sem camisa, só com um short.
-Você está me deixando louco. -a beija.
A encurrala na mesa com as mãos na coxa dela, desce beijando o pescoço dela, Suzana com a boca aberta sorrindo. Se senta, ele suspende a camisola dela. Ele a puxa para ele.
Depois de transarem, Celso sobe para o quarto, deita na cama, olha para a esposa dormindo, se vira e tenta dormi.
Já tem uma semana que Verônica recebe os bilhetes, mas hoje não tinha bilhete em cima da mesa. O que houve para não ter havido bilhete hoje , se perguntava.
No carro, Celso leva Suzana de novo ao shopping.
-Não conte a minha esposa.
-Eu não contarei, se esqueceu que também sou casada.
Verônica ao chegar em casa coloca a comida no forno, se vira e ver o bilhete, o abre:
" Quero te ter, se encontre comigo no quarto 02 do hotel...".


Continua na próxima Terça, a parte final dessa história.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Memória em surto -Família.

Esse é o segundo memória em surto, o tema desse memória em surto é família. Primeiramente o que é memória em surto, espaço em que escrevo coisas que aconteceram comigo, pessoas com quem convivo ou convivi; óbvio sem citar nomes, o primeiro foi os amores em minha vida, o texto foi longo, esse prometo ser o mais suscinto possível.
Ao começa esse parágrafo fiquei na dúvida se conto ou não os animais de casa como membros da família. Espera aê! não estou citando a gatinha que tenho em csa ( Piscuila), o cachorro boavida ( Ursinho) e o valente não tão valente ( Puguento) -Resalvo que ele não tem puga, isso é devido ao nome que ele recebeu ao chegar em casa, o coitado estava cheio de puga, recebeu amor, carinho e hoje está lindo e gordo, mas da irmã pentelha e do irmão macarrão que tenho em casa.
E contando... todos ( eu nunca fui bom com a matemática, aguardem enquanto calculo) 3+2+ a mãe+eu= Nossa minha faília tem 7 membros, eu não gostei dessa palavra, membros, lembra uma coisa não muito agradável (eu e minha mente poluída). vamos organizar essa merda Virgilio, os leitores que lerem isso vão pensar que você é um jovem que se masturba todos os dias e em uma dessas aventuras sexuais consigo mesmo, antes de perder o esperma perdeu o cerebro.
Voltando me chamo Virgilio Kruschewsky Miguel Neto, o primeiro sobrenome ´so eu que tenho da minha família, herdei do meu avô. Não explicar o porquê de só eu que tenho esse sobrenome por três motivos: 1- Não interessa a vocês leitores; 2- A história é longa, complicada e nem eu sei bem direito; 3- Esse sobrenome não metrouxe mulher, dinheiro e nem fama, só algumas situações engraçadas de pessoas que não conseguem lê-lo. Uma vez mesmo quando fui me apresentar ao exército, o soldado demorou uma hora hora para me chamar, tem vezes que pulam o sobrenome, ou falam Virgilio sei lá do quê, mas adoro quando pronunciam errado.
Nesse parágrafo vou citar uma manias da minha família. Não sei como são as outras famílias brasileiras, se isso énormal. mas lá em casa, todo mundo fica pelado na frente de todo mundo. Você tem que ver o corpo não tão escultural da sua mãe, o seu irmão balançando aquele negócio na sua frente, impedindo de você ver a televisão, não sei se por causa do clima ou descaramento mesmo, acho que aindavou fazer uma tese de doutorado sobre isso, aguentar frases absurdas da sua mãe como: Tenho medo de morrer de fome. ( minha mãe é bem gorda) , se ela ficar sem comer sete dias ainda assim todo otecido adposo dela a manteria viva, já eu..., aguentar as ignorâncias da sua irmã, nossa mas está para nascer uma pessoa mais burra que minha irmã,, sem falar ainda da nojeira que é lá em casa, o meu trabalho se bobear é bem limpo quelá emcasa ( me dá nojo quando vejo baratas pela casa, ainda vou acoradr e ver uma cantando Love of my life de Queen. Fora isso poderia dizer que os amo muito e não poderia viver sem eles ( só uma questão 200 mil metros).

Otage - capítulo 11.

Ao acordarem todos verem um tremendo toró cair lá fora.
-Ótimo só isso que precisávamos. -Fala Manuela.
-Droga, estava pensando em ir a praia. -Elís.
-Vamos jogar baralho? -Propõe bruno.
-O que fazer. -Pedro.
Manuela acende um cigarro.
-Ingrid você está namorando o meu irmão?
-Não só ficamos, é só amizade entre nós.
Ela vê Marcos sair do quarto sem camisa.
-Manu vai jogar?... Manu? -Caio.
-O quê?
-Estava viajando.
Ela sorrir.
-Não quer jogar?
-Não.
Ela vai em direção a mesa.
-Que hotelzinho vagabundo, nós mesmos temos que preparar o nosso café. -carolina.
-É que hotelzinho vagabundo.
-O rango está pronto? -Heitor.
-Que maneira de falar absurda. -Manuela se retira.
-Ela tem uma quedinha por mim.
fala ele e Carol rir nem esperando o que lhe aguardava.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Otage -capítulo 10.

_Manu.
-Posso entrar Roberta?
-entre.
Ela entra.
-Eu soube que você se hospedou em outro hotel.
-É, estou indo embora amanhã.
-Em nome da nossa amizade, peço que não conte nada.
-Não me peça isso.
-Todos passamos três anos juntos, foi maravilhoso todos aqueles dias, faça isso por tudo que vivemos.
-Eu passei três anos com vocês todos e não pude imaginar que vocês fossem capazes..., eu descobrir que não conheço vocês.
-Eu tenho um carinho especial por você. -ela se aproxima de Roberta e a beija -Eu sempre a quis.
-Verdade?
-Sim -sorrir.
Manuela tira a blusa e depois o sutiã.
-Que tal bebermos um vinho?
-Tem na cozinha, eu vou buscar. -Ela se retira.
manuela se levanta e coloca uns três pacotes numa gaveta de uma cômoda e volta a sentar.
-Aqui o vinho.
Roberta beija Manuela. e Manuela derruba vinho no forro do sofá.
-Ai desculpa, eu limpo.
-Não precisa Manu.
-Eu faço questão. Onde é o banheiro?
-Ali.
Manuela entra no banheiro, abre o lavatório e se cobre com forro de sofá e olha o vasculhante.
Um carro para por ver uma mulher chorando enrrolada num forro de sofá.
-Fui assaltada e estrupada.
Ela chega ao hotel, todos se espantam por vê-la enrrolada num forro de sofá, ela entra no quarto.
-O que foi que aconteceu? -Pergunta Pedro.
Ela tira o forro e tira a saia em seguida, liga o chuveiro.
-Você some. Esqueceu que podemos parar a qualquer momento na cadeia?
-Roberta não vai mais no pertubar.
-O que você fez?
-Você fez a pergunta errada, o que farei.
Pedro se retira, ela termina o banho, veste umroupão e pega o celular, senta-se na cama.
-Alô... Tenho uma denunncia a fazer, tráfico de drogas.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Recomendo: Machado de Assis.

Quem não leu na época de estudante Machado de Assis? se você não leu, sinto informar mas você perdeu as melhores páginas da literatura brasileira. machado de assis é atemporal, os livros dele, escritos no finalzinho do séc. XIX e início do XX ainda são atualíssimos para os nossos dias.
Tipos como pessoas que passam a perna numa pessoa ingênua para se dar bem, gente com humor ácido, pessoas desconfiadas e aquele parente insurportável que você tem tem que aguentar em sua casa, as senhoras de ouvidos bem atentos.são alguns tipos curiosos que podemos ver ainda em nosso dia-dia. e creio que mesmo passando 50 anos as obras dele ainda vão ser atuais. Não teve um autor que caracterizou tão profundamente seus personagens a ponto de o leitor os desenhá-los em sua imaginação, sentí-los e até ouvi-los, como ele.
Mesmo você que não leu Machado de Assis já deve ter ouvido falar da menina dos olhos oblíquos e dissimulados, ou é melhor cair das nuvens do que do oitavo andar. das obras dele li, Memórias Póstumas de Brás Cubas ( um homem depois de morto narra sua trajetóriade vida sem muitos prêmios, sem contribuições científicas), dom Casmurro 9 que traz a grande pergunta: capitu traiu ou não traiu Bentinho com Escobar? - engraçado que ao ler o livro, eu achei que ela traiu, ao ver a minissérie da Globo, que por sinal foi muito bem feita, tive a certeza da não traição dela, cheguei até a discutir com a professora sobre a traição ou não por parte de Capitu - Já por essas duas obras já dá para ver que o "cara " era um gênio, um livro que tem como narrador um defunto e outro que traz a maior dúvida literária, que só poderá ser solucionada fazendo uma sessão de mesa branca para ver se o querido Machado de Assis desceria para solucionar. Li ainda o Alienista, O enfermeiro e A cartomante ( contos), o último aliás é uma ousadia tremenda do autor ao meu ver. o mais recente que li foi Esaú e Jacó ( um triângulo amoroso envolto de uma história b´blica e que tem como cenário uma grande passagem da História do Brasil).
Por fim, não posso deixar de falar da biografia desse homem, eu acho que já escrevi isso em outra oportunidade, que sou louco po biografias. um homem humilde, de cor, em pleno séc. XIX se torna um autodidata, o maior romancista brasileiro e o fundador da ABL, depois disso só posso sugerir como leitura uma obra de Machado.

Otage -capítulo 9.

Pedro está dormindo, um cara que está na mesma cela coloca uma fronha no pescoço de pedro e começa esganá-lo.
-Socorro!
os outros que estão nas outras celas começam a pedir ajuda, abrem a cela, tiram pedro e o cara.
Pedro é levado à emfermária.
-Você parece está bem.
o médico dá as costas a ele, ele surpreende o médico, corta o pescoço deste, o mesmo cai no chão. depois de algum tempo, ele se retira da emfermária.
fala com uns policiais e sai, nem acreditando que saiu do cárcere.
Heitordirige um carro, para numa esquina cheio de travestis prostitutas.
entra no carro dele um travesti.
-deu certo.
-è, deu.
Pedro era o travestido.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Otage -capítulo 8.

A viagem foi cansativa, mas a exuberabte paisagem que viram faziam eles esquecer do cansaço, pensaram todos. Se alojaram num hotel de estrada. E depois foram para um barzinho.
-vamos dançar? -Fábio para Ingrid.
-Terminamos Fábio.
-Mais cerveja, por favor. -Pede Manuela ao garçon.
Ela depois vê Carolina beijando o namorado e desejou por um momento que Carolina não existisse.
-Vamos dançar maninha.
-Não Pedro, estou indisposta um pouco.
-Se quer dançar Pedro, eu estou afim. -fala Ingrid.
-Então vamos. -se retiram da mesa.
-Quer dançar Bruno? -Pergunta Elís.
-claro. -ele pega na mão dela e se levantam.
-Vou a luta -se levanta roberta e vai em direção a uma mesa onde está uma garota.
-Caio, não dança? -pergunta Heitor.
-Não sei dançar.
-Roberta se deu bem. -fala heitor.
Roberta sai com a garota, se aproxima Carolina com Marcos.
-Marcos dance comigo. -pede Manuela.
Marcos olha para Carolina.
-vai.
Eles vão para a pista de dança.
-Heitor você devia parar de fumar.
-Você Carol sempre com a maldita mania de se intrometer na vida dos outros. -Ele se retira.
Eles vêem depois Ingrid e Pedro se beijarem.
-Eu vou quebrar a cara daquele...
-Espera Fábio! Ela terminou com você e não queremos que nada estrague essas férias.
-escute Carol, vai esfrie a cabeça. Ela não está te traindo
Fábio se retira e Caio respira aliviado.
Enquanto todos se divertiam, Manuela passava pelo momento mais feliz da sua vida, estava diante do homem que ela ama e não podia ter.

Vamos falar de educação

Abordagem Multirreferencial:
contribuições epistemológicas e metodológicas
para o estudo dos fenômenos educativos



III - Multirreferencialidade e Análise Institucional


As instituições criam certezas e, desde que sejam aceitas,
eis o coração apaziguado, a imaginação acorrentada.
Illich


No capítulo anterior foi assinalado que Ardoino, em função de sua inserção profissional, se considera um “ analista institucional”. Esta posição fica mais clara quando observamos, no modelo de inteligibilidade que propõe, uma preocupação com a perspectiva institucional das organizações. Nesse sentido, suas preocupações se voltam para o desvelamento dos jogos de sentido que perpassam as relações sociais, os valores aí implícitos, a ideologia etc. Assim, nos deteremos neste capítulo no esclarecimento das características de sua proposta que a inscrevem no âmbito do movimento institucionalista[1].

Antes, porém, cabe esclarecer que a análise institucional é um método de investigação e pesquisa que visa elucidar as relações reais, e não somente jurídicas ou puramente subjetivas, que mantemos com as normas instituídas, ou seja, tal metodologia visa esclarecer a maneira pela qual os indivíduos se põem ou não de acordo com estas normas com o objetivo de assegurar sua participação social.

Outra particularidade da análise institucional vem a ser o fato de ela operar sobre situações concretas na prática social, isto é, ela se caracteriza como uma intervenção em grupos limitados, tais como organizações, estabelecimentos, organismos, coletividades etc. Como intervenção, a análise institucional tenta mostrar que, em toda situação, a ação simbólica das instituições ausentes/presentes é uma variável importante que deve ser considerada na compreensão das relações sociais. Conseqüentemente, não somente a face objetiva da instituição deve ser levada em conta, mas também a face simbólica, não–objetável em termos de dados de um inquérito ou resultado de uma observação, ou seja, devemos também considerar os aspectos inconscientes que nela estão implícitos.

Como modelo de análise social, a análise institucional, além de introduzir a dimensão instituição no âmbito das análises dos fenômenos sociais, chama atenção para as implicações, sociais, econômicas, políticas e libidinais da atividade de pesquisa e intervenção acima referidas[2].

Visto que não há uma única corrente teórica, ou mesmo uma escola, que expresse plenamente o ideário institucionalista, mas várias tendências teórico-práticas, trataremos aqui de apontar as características que são comuns aos campos de investigação e de intervenção que se inserem no âmbito deste movimento, e que são, de uma certa forma, apropriados por Ardoino na composição de sua proposta de análise.



A noção de Instituição
Apesar das diferenças teóricas há um certo consenso entre os institucionalistas do que vem a ser uma Sociedade e do que é a História. A sociedade é compreendida como uma forma organizada de associação humana, enquanto que a história é vista como o devir da sociedade no tempo (BAREMBLITT, 1994, p. 27).

De um modo geral, o institucionalismo afirma que a sociedade é uma rede, um tecido de instituições. Estas, por sua vez, “...são árvores de composições lógicas que, segundo a forma e o grau de formalização que adotem, podem ser leis, podem ser normas e, quando não estão enunciadas de maneira manifesta, podem ser pautas, regularidades de comportamento.” (BAREMBLITT, 1994, p. 27).

Estas lógicas estão diretamente relacionadas com a regulação das atividades humanas, elas as circunscrevem e as caracterizam, e se pronunciam valorativamente com respeito a essas atividades, clarificando o que deve ser, o que está prescrito e o que não deve ser, isto é, o que está proscrito, assim como o que é indiferente.

Tomando essa perspectiva como ponto de partida, podemos estabelecer, de imediato, uma aproximação entre esta idéia com o conceito de habitus desenvolvido por Bourdieu.

Diz esse autor:



As estruturas constitutivas de um tipo particular de meio ... que podem ser apreendidas empiricamente sob a forma de regularidades associadas a um meio socialmente estruturado, produzem habitus, sistemas de disposições duráveis, estruturas estruturadas predispostas a funcionarem como estruturas estruturantes, isto é, como princípio gerador e estruturador das práticas e das representações que podem ser objetivamente ‘reguladas’ e ‘regulares’ sem ser o produto da obediência a regras, objetivamente adaptadas a seu fim sem supor a intenção consciente dos fins e o domínio expresso das operações necessárias para atingi-los e coletivamente orquestradas, sem ser o produto da ação organizadora de um regente. (BOURDIEU, 1983, p. 60-61)



O ‘habitus’ está no princípio do encadeamento das ações, orientando-as, conformando-as e organizando-as objetivamente; mas, na medida em que é produto das relações sociais, ele tende a assegurar a reprodução das relações objetivas que o engendraram.



Cada agente, quer ele saiba ou não, quer ele queira ou não, é produtor e reprodutor do sentido objetivo: porque suas ações e suas obras são o produto de um ‘modus operandi’ do qual ele não é o produtor e do qual não tem domínio consciente, encerram uma ‘intenção objetiva’, como diz a escolástica, que ultrapassa sempre suas intenções conscientes. (BOURDIEU, 1983, p. 72)



A adequação entre as ações do sujeito e a realidade objetiva da sociedade como um todo é assegurada através da interiorização - pelos atores - dos valores, normas e princípios sociais. A possibilidade de uma ação se exercer se encontra, assim, objetivamente estruturada, o que por sua vez não significa uma obediência às regras ou a uma previsão consciente das metas a serem atingidas. Ou seja, Bourdieu propõe uma teoria da prática na qual as ações sociais são realizadas concretamente pelos indivíduos, mas as possibilidades de elas se efetivarem são estruturadas objetivamente no interior da sociedade.

Ao considerar que a prática se traduz por uma “estrutura estruturada”, predisposta a funcionar como uma “estrutura estruturante”, fica claro que o conceito de ‘habitus’ não se aplica somente à internalização de normas e valores sociais, mas incluem os sistemas de classificação que preexistem às representações sociais, ou seja, atuam na esfera do simbólico - o mundo social é tratado como um mundo lingüístico e cognitivo, cuja totalidade é mantida por relacionamentos intersubjetivos, dinâmicos e não-mecânicos.



A prática é ... necessária e relativamente autônoma em relação à situação considerada em sua imediatidade pontual, porque ela é o produto da relação dialética entre uma situação e o ‘habitus’ ... que, integrando todas as experiências passadas, funciona a cada momento como uma ‘matriz de percepções, de apreciações e ações’ - e torna possível a realização de tarefas infinitamente diferenciadas, graças às transferências analógicas de esquemas, que permitem resolver os problemas da mesma forma, e às correções incessantes dos resultados obtidos, dialeticamente produzidas por estes resultados. (BOURDIEU, 1983, p. 65)



O ‘habitus’ se sustenta, pois, através de ‘esquemas generativos’ que, por um lado, antecedem e orientam a ação e, por outro, estão na origem de outros esquemas generativos, que presidem a apreensão do mundo como conhecimento. Nesse sentido podemos dizer que ele se expressa sob duas dimensões: como social e como individual - refere-se a um grupo ou a uma classe, mas também a um elemento individual. No segundo caso, vale dizer que o processo de interiorização, que o conceito de ‘habitus’ pressupõe, envolve sempre a internalização da objetividade, o que ocorre de forma subjetiva, mas que não pertence exclusivamente ao domínio da individualidade.



Dentro desta perspectiva, a história de vida de um indivíduo se desvenda como uma ‘variante estrutural’ do ‘habitus’ de seu grupo ou de sua classe, o estilo pessoal aparece como um desvio codificado em relação ao estilo de uma época, uma classe ou um grupo social. (ORTIZ, 1983, p. 18)



O trabalho pedagógico (da família, da escola etc.), portanto, vai além da inserção dos indivíduos num sistema moral ou ideológico, visto que tem, como função essencial, administrar o processo de inculcação das próprias categorias que presidem a interpretação do real. Na medida em que tais categorias são históricas e sociais, elas reproduzem o arbitrário social, ou seja, as relações hierárquicas da sociedade global.

Assim, o controle e a ‘dominação’, por parte da sociedade, são duplos: primeiro como discurso ideológico, segundo, como sistema lógico que ordena a representação social[3].

Sob tais circunstâncias podemos identificar várias instituições que compõem essa rede de sociabilidade em que estamos envolvidos. Temos a instituição da linguagem, principalmente no que tange aos aspectos gramaticais, pois eles estabelecem as normas que regem a combinatória dos elementos fônicos. Temos, também, as instituições de regulamentação do parentesco, que definem lugares como pai, mãe, filho, genro, nora etc., e estabelecem as uniões possíveis - assim como as interdições - entre os membros de uma sociedade.

Existem as instituições de educação que expressam as leis, normas e pautas que prescrevem como se deve socializar, instruir um aspirante a membro de nossa sociedade para que ele possa integrar-se à mesma com suas características efetivas. Há ainda a instituição da religião que regula as relações dos homens com a divindade. Enfim, temos as instituições de justiça, da administração da força etc.

BOURDIEU e PASSERON (1975), analisando a instituição escolar, apontam que o seu principal objetivo está relacionado com interiorização do sistema de regras (este geralmente de ordem inconsciente), de normas, de valores, que constituem a normatividade dominante da sociedade. Toda ação pedagógica é, sob esse ângulo, violência simbólica. Tal violência, no entanto, é da ordem do desconhecido, instituído para manter-se, tanto seu mecanismo interno como as relações de força que a fundam.

O ‘habitus’ é o resultado dessa interiorização, ao passo que as aspirações dos agentes sociais estão estruturadas pelo ethos de classe, isto é, por uma disposição geral que, ao transpor-se (na medida em que são o produto de toda aprendizagem dominada por regularidades objetivas), determina as condutas.

Barbier, tomando a observação de Luís Pinto, assinala que o recurso ao conceito de 'habitus’, apesar de explicitar o fato da conformidade da prática à estrutura, não permite saber como este ‘habitus’ se forma.



...esta observação mostra os limites insuperáveis que [este conceito] contém para explicar as práticas humanas socializadas. P. Bourdieu não dialetiza o seu conceito de habitus: interiorização da exterioridade e exteriorização da interioridade, o habitus é concebido sob a forma cibernética da “caixa preta”, seja no ser humano, seja num grupo, entram estruturas e saem práticas conformes inconscientes. Ficamos no universo da geometria plana da racionalidade aplicada que, necessariamente, reduz a hipercomplexidade do real ao modelo teórico refinado. (BARBIER, 1985, p. 149)



É necessário, pois, segundo ARDOINO (1980) e BARBIER (1985), retomar a noção de ‘habitus’ sob um ângulo diferente do proposto por Bourdieu. Concebê-lo não só como instituído, mas numa dimensão instituinte, aberta para o imaginário. Tal perspectiva supõe o reconhecimento de que o ser humano é antes de tudo um homem “imaginante” que realiza um “imaginário radical” não causal e criador de um universo sempre renascente de significações que escapam à elaboração estritamente racional dos dados (CASTORIADIS, 1995).

Para ARDOINO (1980), o homem se “alimenta” continuamente de seu imaginário, no fundo do qual está o desejo.



Ligado ao desejo imprevisível, não se consegue circunscrever o imaginário: ele está sempre onde não se espera e some quando se pensa havê-lo pegado. Apenas permanecem as brasas do simbólico que acendem no real o incêndio perceptível dos sinais ainda cheios do passado mas já portadores do futuro. Assim como o branco é a síntese de todas as cores, o imaginário – essa brancura da totalidade em marcha – abre todas as comportas do simbólico, principalmente na sua dimensão de imaginário radical. (BARBIER, 1985, p. 152)



Compreender os fenômenos educativos sob esta perspectiva implica depositar nossas preocupações sobre os aspectos que dizem respeito ao implícito das relações – ao não-dito. Ou seja, tais fenômenos caracterizam-se, tanto por aspectos relativos à objetividade e à materialidade da vida humana (vinculados a questões de ordem econômica, política, material etc.), como também, por aspectos que dizem respeito ao individual, ao subjetivo, às microrelações que se estabelecem no cotidiano social (seja no âmbito educação formal ou não-formal).

Nesse sentido, podemos dizer que estes fenômenos se circunscrevem numa dialética instituído-instituinte que, à medida que é histórica, nos permite acompanhar o desenrolar dos fatos sociais.



O instituído e o instituinte
Para compreender a dialética do instituído–instituinte Ardoino inspira-se no trabalho de Cornelius Castoriadis[4], especialmente em sua obra A instituição imaginária da sociedade (1995). Nesse livro o autor faz uma discussão sobre o projeto de autonomia, eixo central do que denominará de projeto revolucionário, isto é, projeto de construção de uma sociedade autônoma. Nesse sentido, Ardoino salienta:



Mais que teoria no sentido estrito do termo, isto é, “olhar que inspeciona o que é”, a aproximação de C. Castoriadis quer ser elucidação indissociável de um objetivo e de um projeto políticos: o projeto revolucionário... (ARDOINO, 1980, p. 189)



A autonomia tem, para Castoriadis, o sentido de superação das diferentes formas de alienação. Esta é entendida e conceituada de formas múltiplas, mas complementares e, sintetizada como heteronomia ou regulação pelo outro.

Uma das formas de alienação definida por Castoriadis diz respeito ao processo de autonomização da instituições ante as pessoas, os indivíduos, e sociedade, e consiste no fato de que a instituição, uma vez estabelecida – criada – pela sociedade autonomiza-se, ultrapassando suas finalidades iniciais e suas “razões” de ser, caracterizando uma inversão: o que deveria ter sido um conjunto de instituições a serviço das pessoas e da sociedade, se transforma numa sociedade a serviço das instituições.

A instituição é entendida, por esse autor, como “uma rede simbólica, socialmente sancionada, onde se combinam, em proporções e em relações variáveis, um componente funcional e um componente imaginário” (CASTORIADIS, 1995, p. 159), e será a dinâmica destes dois fatores que irá determinar o processo – acima referido – de heteronomia instituída.

A dimensão funcional preenche as nossas necessidades vitais, referentes a nossa sobrevivência individual e coletiva – a nossa inerência à natureza física e biológica. Nosso pertencimento ao mundo natural impõe-nos o atendimento de nossas necessidades específicas. Entretanto, ressalta Castoriadis, reconhecer a dimensão funcional de determinadas instituições não pressupõe o entendimento de que todas elas se esgotem na funcionalidade. Ao contrário, para ele a instituição se constitui igualmente, originariamente, como dimensão simbólica: “[a] diferença entre natureza e cultura é um mundo de significações.” (CASTORIADIS, 1995, p. 168). Dito de outra maneira:



Tudo o que se nos apresenta no mundo social-histórico está ... entrelaçado com o simbólico. Não se esgota nele. Os atos reais, individuais e coletivos ... , ou inumeráveis produtos materiais sem os quais nenhuma sociedade poderia viver um só momento, não são ... símbolos. Mas uns e outros são impossíveis fora de uma rede simbólica. (CASTORIADIS, 1995, p. 142)



Imersos numa rede de sistemas simbólicos instituídos (sistemas de poder, econômico, jurídico, entre outros) a dimensão simbólica é ineliminável já que “determina aspectos da vida da sociedade (e não somente o que se supunha determinar), estando, ao mesmo tempo, cheio de interstícios e graus de liberdade.” (Catoriadis, 1995, p. 152). No entanto, para o autor, o simbólico – o instituído – não é um fato último, não se explica por si só, mas nos remete a algo que não é da ordem do simbólico, que é o imaginário. E será o imaginário que possibilitará a autonomização do simbólico e, evidentemente, da instituição que ele significa. À medida que o simbolismo não é necessariamente fonte de alienação, pois é possível ter com ele uma ação reflexiva, lúcida e crítica, sua articulação com o imaginário abre a perspectiva para uma automização das instituições. Isto significa dizer que o simbolismo recebe do imaginário o seu “suplemento essencial de determinação e especificação” (CASTORIADIS, 1995, p. 154), proporcionando a heteronomia institucional.

Em sua discussão sobre o imaginário, Castoriadis estabelece que ele se apresenta no campo social sob duas perspectivas: como imaginário radical e como imaginário efetivo.

O imaginário, no sentido primeiro em que o utiliza CASTORIADIS (1985, p. 154), refere-se a “faculdade originária de pôr ou dar-se, sob a forma de representação, uma coisa e uma relação que não são (que não são dadas na percepção) ou nunca foram”. Eis a principal característica do imaginário radical, ou da imaginação produtiva ou criadora. Ele reconhece, a partir dessa noção, a capacidade estritamente humana de criar, de produzir, de fazer ser o que não é nem nunca foi. Trata-se, enfim, da criação de algo que introduz o novo, constitui o inédito, a gênese ontológica, a posição de novos sistemas de significados e significantes, presentificando o sentido. Assim, o imaginário radical é considerado como o motor da história, visto que ele nos põe diante da emergência da alteridade, do inédito, do inaudito, do inesperado, do indeterminado.

O imaginário radical, além de estar relacionado à criação, à produção de novos sentidos, também subsidia o imaginário efetivo, que constitui, na linguagem de Castoriadis, o “magma” de significações imaginárias sociais atuantes, operantes, em “uso” por uma determinada sociedade.

Cada sociedade, portanto, caracteriza-se como tal a partir de um conjunto de significações que lhe dão sua unidade e identidade. É por meio dessas significações criadas que os homens percebem, vivem, pensam e agem. Tais significações, no entanto, são, antes de mais nada, operantes, efetivas, mas circunscritas (muitas vezes) na ordem do inconsciente, irrefletidas.

Assim, esse imaginário efetivo se manifesta, se presentifica no plano sócio-histórico através dos sistemas simbólicos instituídos (linguagem, religião, ritos, formas de exercício de autoridade etc.) nos quais será sempre possível encontrar uma dimensão funcional, identitária e um sentido que se prende à dimensão imaginária ou significativa. Esse sentido pode ser percebido, pensado ou imaginado, se faz presente no discurso, mas se constitui como um núcleo independente de todo discurso e simbolização.

Dito de outra forma, as significações que caracterizam o imaginário efetivo se estabelecem no próprio fazer da sociedade; elas atuam como organizadoras dos comportamentos humanos e das relações sociais, independente de sua existência para a “consciência” da sociedade – é o que Castoriadis denomina de imaginário social do coletivo anônimo, e é o que nós queremos denominar através do termo não-dito.

Assim sendo, o imaginário efetivo oferece aos indivíduos, uma série de sentidos, a partir dos quais emerge a possibilidade da vida social. No entanto, cabe ressaltar que como afirma Castoriadis, o social



... é uma dimensão indefinida, mesmo se está circunscrito a cada instante, uma estrutura definida e ao mesmo tempo mutante, uma articulação objetável de categorias de indivíduos e o que para além de todas as articulações mantém sua unidade. (...) É o que pode apresentar-se na e pela instituição mas que é sempre infinitamente mais do que a instituição... (CASTORIADIS, 1995, p. 135)



Castoriadis refere-se aqui ao fato de que existe um social instituído, mas ele pressupõe sempre um social instituinte.



“Em tempo normal” o social manifesta-se na instituição, porém esta manifestação é ao mesmo tempo verdadeira e de certa forma falaciosa – como mostram os momentos em que o social instituinte irrompe e se coloca em ação com as próprias mãos, os movimentos revolucionários. Mas este trabalho visa imediatamente um resultado, que é o de dar-se novamente uma instituição para nela existir de maneira visível – e desde o momento em que esta instituição é estabelecida o social instituinte esquiva-se, distancia-se, já está também alhures. (CASTORIADIS, 1995, p. 135)



Sob essa perspectiva, podemos dizer que a instituição é circunscrita pela tensão entre o instituído e o instituinte, já que é a partir dela que se manifesta o componente imaginário da instituição. Isto quer dizer que, para além da atividade consciente de institucionalização, as instituições encontram sua fonte no imaginário inconsciente. Este imaginário, no entanto, deve entrecruzar-se com uma dimensão simbólica (do contrário a sociedade não teria podido ‘reunir-se’) e com uma dimensão econômico-funcional (do contrário não teria podido sobreviver) (ARDOINO, 1998a).

O mundo das significações sociais deve ser pensado como



...posição primeira, inaugural, irredutível do social-histórico e do imaginário social tal como se manifesta cada vez numa sociedade dada: posição que presentifica e se figura na e pela instituição das significações ... que coloca, para cada sociedade” (CASTORIADIS, 1995, p. 413)



Colocar este conjunto de significações como inaugural nos remete para uma reflexão sobre os processos de socialização que se engendram nos interstícios do social: como é que se dá este processo? Que papel a educação desempenha neste processo?

Ora, pensar a sociedade em termos institucionais nos coloca diante da dimensão reprodutora da educação, manifestação da sociedade como sociedade instituída instituindo-se como identidade a si mesma. Às instituições cumpre assegurar a reprodução dos indivíduos como indivíduos sociais. A entrada na sociedade instituída, a socialização, não é negociada livremente, ela é imposta, ela representa uma ruptura violenta com relação àquilo que é, originariamente, o estado primário da psiquê e suas exigências.

Devemos esclarecer, entretanto, que não podemos perder de vista a dimensão fenomenológica e dialética que fundamenta o pensamento de Castoriadis. E é nesse momento que, outra vez, entra em cena o conceito de imaginário radical como capacidade de criação, de alteridade, de engendramento do novo, pelo qual o ser não é estático, mas por-vir-a-ser.

O imaginário radical, como imaginário social, se constitui como sociedade instituinte, existe na e pela posição-criação de significações imaginárias sociais, da instituição como “presentificação” das significações, e das significações como instituídas, isto é, definindo o certo e o errado, o que vale a pena e o que não vale, o que é e o que não é, o que pode e o que não pode: é o magma de significações a que nos referimos anteriormente[5].

Para elucidar as significações que constituem o social é necessário partir de suas conseqüências, de sua “sombra”, de seus resultados projetados no agir efetivo dos indivíduos, dos grupos, das organizações, das sociedades, ou seja, é necessário tomar como ponto de partida sua historicidade, pois sociedade instituída e sociedade instituinte são intrinsecamente história, isto é, expressam um movimento dialético que traz em si mesmo auto-alteração. A sociedade instituída não se opõe à sociedade instituinte: ela representa a fixidez/estabilidade relativa e transitória das formas-figuras instituídas em e pelas quais somente o imaginário radical pode ser e se fazer como social-histórico. Esta relação é que subsidia o movimento social, historicamente concebido - o social portanto se faz como temporalidade, como história (CASTORIADIS, 1995, p. 222 e segs).



A noção de transversalidade
Para aprofundar a compreensão dos processos implícitos no universo institucional – o não-dito – Ardoino aproxima, na composição de seu quadro teórico, o conceito de transversalidade, que foi elaborado por Félix Guattari no âmbito da psicoterapia institucional. Para ele:



Guattari, com o objetivo de escapar dos perigos de uma extensão pura e simples da noção de transfert, construída pela clínica freudiana, para a clínica institucional, vai elaborar a idéia fecunda de transversalidade. (ARDOINO, 1980, p. 181)



A noção de transversalidade diz respeito, independente das estruturas horizontais (relações informais que se estabelecem na instituição) ou verticais (organograma institucional), a um sentimento vago ou distinto, obscuro ou claro, segundo a consciência que se tenha dele, das relações de fato, no seio da práxis, dos membros de um grupo ou de um coletivo, quando têm “realidades” materiais, símbolos, ideais em comum.



Coloquemos num campo fechado cavalos com viseiras reguláveis e digamos que o ‘coeficiente de transversalidade’ será justamente esta regulagem das viseiras. Imaginemos que a partir do momento em que os cavalos estiverem completamente cegos, um certo tipo de encontro traumático vai se produzir. À medida que formos abrindo as viseiras, pode-se imaginar que a circulação se realizará de maneira mais harmoniosa. (GUATTARI, 1987, p. 96)



No âmbito da instituição – aqui pensada mais especificamente no âmbito da saúde mental – o “coeficiente de transversalidade” é o grau de cegueira de cada membro do pessoal. Trata-se então de “regular” a focalização no sentido de promover uma menor alienação – social e mental - dos envolvidos no processo de cura.



A transversalidade é uma dimensão que pretende superar os dois impasses, o de uma pura verticalidade e o de uma simples horizontalidade: ela tende a se realizar quando uma comunicação máxima se efetua entre os diferentes níveis e sobretudo nos diferentes sentidos. É o próprio objeto da busca de um grupo sujeito. (GUATTARI, 1987, p. 96)



O conceito de comunicação não deve ser tomado aqui em seu sentido cibernético – em termos de “input” e “output”. Não se trata de analisar de uma vez por todas, conforme um modelo sociológico ou psicológico, a estrutura de poder da instituição. A transversalidade é uma dimensão permanente da instituição: continuamente submetida a exame e continuamente renovada. Segundo Guattari, “o sujeito da instituição, o sujeito efetivo, isto é, inconsciente, aquele que detém o poder real, nunca é dado de uma vez por todas.” (GUATTARI, 1987, p. 98)[6]. Isto nos indica que toda possibilidade de intervenção transformadora, no âmbito da instituição, dependerá da capacidade de fazer “sair da toca” o sujeito da instituição – ou seja, o inconsciente.



A transversalidade é o lugar do sujeito inconsciente do grupo, o além das leis objetivas que o fundamentam, o suporte do desejo do grupo. (...) Uma análise de grupo que se proponha resultar no remanejamento das estruturas de transversalidade, nos parece concebível; na condição de evitar os perigos das descrições psicologizantes das relações internas que têm por efeito perder as dimensões de phantasias específicas, ou das comportamentalistas, que ficam deliberadamente no plano dos grupos sujeitados. (GUATTARI, 1987, p. 101)



Ardoino, numa perspectiva complementarista (e também multirreferencial),

aproxima ao conceito de transversalidade (proposto por Guattari) a noção de trasversalidade. Com este termo ele quer indicar a necessidade de levar em consideração que



... grupos artificiais (com relação aos grupos reais) ou... aqueles cujo princípio de reunião é essencialmente simbólico (grupos de formação, de sensibilização, grupos de terapia) são atravessados pelo jogo das forças sociais, pelos modelos da realidade exterior, pela sociedade global, com suas desigualdades, suas relações de força e de dominação. (ARDOINO, 1980, p. 182)



Com a primeira noção, a de transversalidade, nós nos aproximamos dos processos de simbolização que são possíveis no âmbito da instituição, a segunda, porém, a de trasversalidade, pressupõe a idéia de que toda microinstituição (como, por exemplo, a família) como toda instituição regional (como, por exemplo, uma escola), específica ou local, tende a resumir, a conter e a reproduzir o sistema institucional geral – que diz respeito à sociedade como um todo.



Organização e instituição

BAREMBLITT (1994) assinala que, em um plano formal, uma sociedade é um tecido de instituições que se interpenetram e se articulam entre si para regular a produção e a reprodução da vida humana e a relação entre os homens. Sob tal perspectiva, as instituições são entidades abstratas, por mais que possam estar presentes, registradas em escritos ou tradições.

Para ARDOINO e LOURAU (1994) este caráter abstrato da instituição é problemático pois ela é um objeto virtual, produzida pela análise que a elabora e, ao mesmo tempo, a interpreta[7]. “A instituição é imaterial. Ela não é jamais acessível diretamente. Podemos apreendê-la somente através da materialidade das coisas da organização”. (ARDOINO e LOURAU, 1994, p. 26).

Esses autores apontam que a dificuldade de estabelecer uma distinção entre instituição e organização está relacionada, principalmente, com a etimologia da palavra instituição “A instituição designa ao mesmo tempo um estabelecimento, como, por exemplo, uma clínica; ou uma escola religiosa, a instituição São José, por exemplo; mas designa também o direito, que é uma instituição; designa ainda o casamento, que é uma instituição, pode designar também a Cruz Vermelha Brasileira que é, ao mesmo tempo, uma organização e uma instituição.” (ARDOINO, 1998a). Isto significa dizer que a palavra instituição trás, em sim mesma, uma polissemia.

Para ARDOINO (1998a), os analistas institucionais, durante muito tempo, confundiram estabelecimento (organização) com instituição, o que torna necessário um refinamento conceitual que permita reconhecer a instituição em sua especificidade e descolá-la do estabelecimento, com o qual ela se confunde.

Na visão de Ardoino, a distinção entre instituição e organização é necessária porque os dois conceitos tratarão de questões completamente diferentes.



A organização no sentido de March e Simon é um conjunto organizado de funções interdependentes, quer dizer que ... eu só posso falar de organização em termos funcionalistas. A organização supõe um modelo mecanicista, sempre! Eu posso pensar a organização em termos de competência, em termos de objetivos, em termos de estratégias, isso nos levará a uma análise organizacional muito bem ilustrada pela escola francesa da sociologia das organizações. Mas, a análise institucional que vai colocar problemas de status (de posição), de valores, de finalidades e não mais de objetivos; de missão, de política e não mais de estratégia, abrirá um outro tipo de questionamento. De uma certa forma a instituição é o sentido ou o não sentido da organização. Eu não acesso jamais a instituição diretamente. Eu só posso atingir a instituição ... através das coisas concretas da organização. Essa Universidade é uma organização, há os prédios, as paredes, os regulamentos sobre as paredes, por vezes há os guardas, pessoas de uniforme, a instituição é invisível, é imaterial, mas o peso da instituição é terrivelmente pesado, é a violência simbólica de Bourdieu. A violência está muito mais na instituição do que na organização. Porque é a instituição que contém as visões de mundo (...) [no âmbito da análise institucional] não se coloca a questão do como, do porquê, mas para quem isso serve, quem se aproveita disso, quais os interesses em jogo. E nesse sentido nós estamos, mais precisamente, no contexto de uma análise... de uma análise política. (ARDOINO, 1998a)



Para Ardoino, no entanto, a análise institucional se efetiva quando olhamos para a trama social, para as relações sociais que se estabelecem no âmbito de um estabelecimento (de uma organização). Pois, o que é propriamente institucional deve ser buscado mais profundamente, como aquilo que funda simbolicamente a organização. Nesse sentido, podemos dizer que a organização é uma ordem dada que se impõe e produz “efeitos de força”, enquanto a instituição somente pode ser desvelada através dos “efeitos de sentido”, os quais a análise procurará revelar. “A instituição deve portanto ser lida enquanto sentido, conjunto de significações, poder-se-ia dizer, no sentido aristotélico, a ‘alma’ da organização.’” (ARDOINO e LOURAU, 1994, p. 27).

Aqui estamos diante de dois tipos de conhecimentos que, apesar de diferentes, são complementares. No primeiro caso, aquele que diz respeito à organização, o conhecimento



... expressa-se num modelo maquínico, com sua linguagem funcional o problema da organização é pensado em termos energéticos: é necessário energia para que as pessoas se movimentem, é preciso energia para mudança, e as pessoas que resistem gastarão energia, é uma representação energética, efeito de força. Isso implica uma concepção do funcionamento psíquico e microssocial centrado na força, mais energética que histórica, mais existencial que temporal. Baseia-se mais na aprendizagem experimental e em um condicionamento. É uma concepção que implica uma mecanização do biológico - da historicidade. (ARDOINO, 1998a)



O conhecimento que diz respeito à instituição busca os sentidos, sentidos que transpassam - estão implícitos - a organização. A posição é a da escuta - a escuta clínica, como a definimos anteriormente - o que possibilita retomar uma palavra e reenviá-la à outra, e essa palavra que é reenviada fará novo sentido.



A relação é o ponto de partida para o esclarecimento do que está implícito, do não-dito... o que nos coloca diante de um processo de maturação pessoal mais profundo, de processos sempre transferenciais. Nesse caso não se pode dizer que é energético, mas pode haver efeitos de sentido. (ARDOINO, 1998a)



Na análise institucional, portanto, “os ‘efeitos de sentido’, mais habituais às correntes hermenêuticas, associam-se, desse modo, aos ‘efeitos de força’, mais característicos das modelizações mecanicistas”. (ARDOINO, 1998e, p. 28). Nesse sentido a análise institucional torna-se complementarista e multirreferencial.


A natureza dialética da instituição
LOURAU, nos diz:



A análise institucional engloba, atualmente, de um lado um método de conhecimento indutivo, situado junto da análise funcional, estrutura, estruturo-funcional, e também junto de diversos modos de análise econômica, política, etc., e de outro, mais especificamente, um modo de análise em situação que se aproxima mais da clínica psicanalítica. No primeiro caso temos de nos haver com a análise do papel, que se inspira mais ou menos diretamente de intervenções e pesquisas no terreno. No segundo, trata-se da intervenção institucional analisada como tal. (p.266)



Este autor, em seu livro A análise institucional, faz uma extensa discussão sobre o conceito de instituição, e considerando os diferentes sistemas de referência que utilizam esta noção, a instituição aparece para ele como polissêmica, equívoca e problemática.

Ela é polissêmica, uma vez que, como Lourau salienta, os diversos autores por ele pesquisados, ao utilizarem o conceito se alternam e/ou confundem três momentos:

- um momento da universalidade, que diz respeito à significação universal da instituição o que nos remete para uma análise de sua estrutura. É o momento da afirmação, o que diz respeito às normas, “ao que está ali”, ao que está estabelecido, é o instituído da sociologia;

- o momento da particularidade, refere-se à significação particular, contingente, histórica e dialética da instituição, é o momento da negação da afirmação anteriormente referida. É o ato de instituir, de fundar, de modificar o sistema anteriormente estabelecido;

- momento de singularidade, expressa a significação singular da instituição, como negação da negação - uma segunda negação. Isto nos remete para o instituinte já instituído, é a negação da negação precedente. Refere-se a formas sociais visíveis, tangíveis. (LOURAU, 1995, p. 139-140).



Estes momentos descritos por Lourau nos sugerem que devemos distinguir, através da dinâmica da institucionalização, o que está se instituindo, o que já está instituído, e o que está em projeto de instituição, em curso de institucionalização: é o instituinte já instituído.

ARDOINO (1980) assinala que quando um ou outro aspecto da instituição se encontra esquecido, sua natureza dialética desaparece para tornar-se objeto de uma falsa consciência pelo trabalho de reificação.

A perspectiva desenhada por Lourau acerca do conceito de instituição traz, claramente, uma crítica dirigida tanto aos etnólogos e aos sociólogos, que enfatizam, demasiadamente, o aspecto da particularidade de instituição, como ao marxismo que, considerando as formas particulares das relações de força, das relações de classes, das relações de produção, enfatizam o momento da particularidade, conduzindo-o para um novo dogmatismo.

Neste último caso, LOURAU (1995) esclarece:



Hipostasiados enquanto agentes históricos, construtores de sua própria história, os indivíduos correm o risco de perder esta autonomia e iniciativa instituinte a partir do momento em que o marxismo deixando-se levar pelas facilidades dogmáticas do economicismo e filosofismo materialista, torna-se institucional. (p. 140/141)



Além disso, Lourau aponta para os limites das várias abordagens teóricas que tomaram o conceito de instituição como ponto de partida para análises antropo-sociológicas[8]. Segundo ele, estas abordagens nos possibilitam apreender a função simbólica das instituições, não a totalidade das funções que elas desenvolvem objetivamente, nem as relações dialéticas que elas estabelecem entre si.



A noção de instituição é equívoca pelo fato de o conceito designar, alternativa ou simultaneamente, o instituído e o instituinte (LOURAU, 1995, p. 141). O pensamento, expresso em normas, em axiomas, em princípios de ação, em preceitos, se compõe com esse movimento dialético. O ideário de uma ontologia da identidade através do qual ser significa estar determinado, não reconhece a ação criadora da história. Entendemos que é o caráter dialético das relações instituído-institunte que permite à instituição mudar ao longo do tempo e desenvolver-se segundo os momentos descritos anteriormente (da universalidade, da particularidade e da singularidade).

Lourau nos diz ainda que o conceito de instituição é problemático porque não é um objeto estável de observação e manipulação. Nós só a conhecemos através de uma análise e eventualmente de interpretações. O problema de sua caracterização e de seu sentido nos conduz a um código que não está estabelecido, o que nos coloca diante da necessidade de elaborar um sistema de operações (geralmente indutivo) que nos permita uma tradução da realidade social com algum tipo de coerência.

Assim sendo, temos que aceitar como científica a hipótese de uma construção da verdade elaborada que traz em si mesma o “mestiço”, o ‘heterogêneo”, a “subjetividade do pesquisador”, e renunciar o mito da objetividade da revelação de uma ordem subjacente, imutável.



Diante do que vimos apresentando até aqui, podemos dizer que, no âmbito do movimento institucional, o conceito de instituição traz em si mesmo uma polissemia, decorrente das várias abordagens que desenvolveram esta noção, o nos remete para o reconhecimento da complexidade dos fenômenos que o conceito pretende expressar.

A perspectiva multirreferencial defendida por Ardoino, nos permite abordar este objeto de estudo – a instituição – sob vários ângulos: psicológico, psicossociológico, sociológico, psicanalítico etc., permitindo uma aproximação menos fragmentada do mesmo.

É importante resgatar, nesse momento, uma crítica dirigida à proposta analítica de Ardoino. Como apontamos na nota nº 39, Ardoino utilizou, em suas elaborações iniciais do modelo de inteligibilidade discutido no capítulo anterior, os temos “nível” e “perspectivas” indistintamente, para se referir aos aspectos analíticos implícitos em seu modelo. No que tange ao primeiro, ele recebeu uma série de críticas advindas, principalmente, dos precurssores do movimento institucionalista: René Lourau e Georges Lapassade.

Tanto um quanto outro, no entanto, apesar de criticarem Ardoino, fazem uma proposta de análise institucional a partir de três níveis: o grupo, a organização e a instituição, ou seja, ambos se contradizem[9].

Ardoino, retomando a proposta de trabalho de Lourau[10], afirma que, para a efetivação de tal análise – a análise institucional, “não podemos nos esquivar de uma realidade representada como estratificada, que apenas pode ser aprofundada sob ângulos heterogêneos, como se houvesse níveis diferentes, porque nenhuma leitura global, totalizante, traduziria suficientemente a sua complexidade.” (ARDOINO, 1998, p. 45 – destaque no original).

Além disso, ele reconhece que, se, por um lado, a instituição está presente em todas as manifestações da atividade social – como pressupõe Lapassade[11] - por outro, os quatro outros “níveis” propostos estão co-presentes, um diante dos outros. Sob uma perspectiva didática, ou ainda sob uma perspectiva analítica, ele pondera: “...não podemos falar de tudo ao mesmo tempo. Faz-se necessário, portanto, especificar perspectivas diferentes, mas quando as anunciamos, escrevendo-as umas ao lado das outras, elas se tornam níveis, o que comporta, é verdade, um perigo de reificação.” (ARDOINO, 1998, p. 45).

Ardoino, à medida que “conjuga” as referências descritas no capítulo anterior para compor seu “modelo de inteligibilidade”, bem como os desdobramentos epistemológicos dele decorrentes, nos leva a pensar que a noção de multirreferencialidade – entendida aqui como uma proposta metodológica e epistemológica – é, em si mesma, multirreferencial (conforme MARTINS, 1998). Tal fato fica muito claro, quando apresentamos, apesar de resumidamente, o movimento que Ardoino buscou fazer resgatando várias facetas, várias disciplinas, várias abordagens, para compor o seu olhar sobre a instituição. Um olhar “bricolado”, tecido a partir da convivência, da convergência, da complementaridade, da contradição, o que caracteriza um olhar multirreferencial.

Traçar uma análise dos fenômenos educativos a partir da análise institucional significa, portanto, dirigir nosso olhar para os aspectos “latentes” das relações sociais, para dimensões que dizem respeito aos sentidos, aos desejos, às vontades (muitas vezes inconscientes) dos envolvidos no processo. Implica, além disso, a consideração dos aspectos políticos que subsidiam as práticas educativas: é o “para quem”, ou o “em função de quem”, o sistema educacional funciona dessa ou daquela maneira.

Ao operacionalizar suas análises a partir de várias referências, Ardoino nos indica a necessidade de assegurarmos a complexidade das situações que estão sob análise, bem como a dialética nelas intrincada. Isto significa reconhecer a sua heterogeneidade, sua opacidade e o caráter negatriz que lhes são próprios.

Além disso, vale lembrar, que os elementos utilizados (que não se esgotam nas indicações que ele faz em seu modelo de inteligibilidade) na composição do olhar
multirreferencial está relacionado com as implicações do próprio pesquisador/interventor[12], ou seja, o processo de elucidação dos fenômenos educativos está vinculado à clareza que estes profissionais têm dos seus motivos, dos seus compromissos, de seu lugar, de sua disponibilidade para “escutar clinicamente” os sentidos que perpassam as relações que estabelecem no contexto de pesquisa ou de intervenção[13].

O modelo proposto por Ardoino, enfim, nos permite, quando aproximamos sistemas descritivos diferentes – multilógicas – manter as contradições que caracterizam toda realidade complexa. Tais lógicas nos fazem e nos ajudam a ter uma idéia diferente desta realidade, conforme o ângulo privilegiado sob o qual a percebemos. Ou seja, não se trata de elaborar um sistema descritivo que “sintetize” várias possibilidades analíticas, mas manter várias lógicas em constante tensão, possibilitando a criação de novas interpretações acerca dos fenômenos colocados em questão.



NOTAS DO CAPÍTULO 3



[1] Cabe registrar que o movimento institucionalista – em especial o que se desenvolveu na França – iniciou-se na década de 40, a partir da atividade prática de alguns profissionais vinculados com a problemática da saúde mental.

[2] Conforme definição de implicação referida na página 74 deste trabalho.

[3] Na proposta de Bourdieu há uma superação das análises marxistas na medida em que ele recoloca a política na dimensão da infra-estrutura na determinação da posição do indivíduo dentro da sociedade, relacionando a objetividade da infra-estrutura e a subjetividade de suas representações.

[4] Segundo ARDOINO (1998a) Castoriadis é um dos inspiradores do movimento de análise institucional mas ele nunca pertenceu a esse movimento. Ele faz parte de um grupo de autores que contribuíram para o estabelecimento de uma “análise institucional generalizada” (ARDOINO e LOURAU, 1994, p. 59), na qual haverá cortes marxistas, sociológicos, psicológicos diferentes e nos quais se inspirarão as correntes que compõem o movimento institucionalista.

[5] Ver página 107 e seguintes.

[6] Tal perspectiva nos sugere a idéia de acompanhamento e de escuta clínica que discutimos anteriormente.

[7] Esta idéia é muito próxima a de Geertz quando este autor nos diz que “no estudo da cultura a análise penetra no próprio corpo do objeto.” (GEERTZ, 1978, p. 25).

[8] Ele se refere explicitamente aos trabalhos de Malinowski; Durkheim; de Mauss e de Lévi-Strauss.

[9] Lourau em A análise institucional critica textualmente Ardoino; no entanto, junto com Lapassade, no livro Chaves de sociologia, apresentam uma proposta que aponta para uma análise institucional em três níveis. Ver também essa contradição em LAPASSADE, 1980, pgs. 92/93 e 135/138.

[10] É possível, mediante análises em situação que não se confundem nem com os “jogos da verdade” da psicossociologia, nem com “a higiene social” da sociologia das organizações, decifrar as relações que os indivíduos e os grupos mantêm com as instituições. Para além das racionalizações ideológicas, jurídicas, sociológicas, econômicas, políticas a elucidação dessas relações revela que o vínculo social é acima de tudo um arranjo do não saber dos atores com relação à organização social.” (LOURAU, 1995, p. 267).

[11] Na realidade ... a instituição atravessa todos os níveis de uma determinada formação social. (LAPASSADE, 1980, p. 93).

[12] Entendemos com essa “dobradinha”, que todo pesquisador realiza uma intervenção em seu campo de investigação, tendo em vista suas implicações. Mais detalhes sobre essa questão, ver MARTINS, 1996.

[13] A noção de intervenção refere-se a uma ação intencional que os indivíduos promovem no campo social. Aqui incluímos o pesquisador, o analista institucional, o professor, o educador, o pedagogo etc.

Texto extrído de :http://www.geocities.com/Athens/Aegean/5389/multi7.htm

terça-feira, 5 de maio de 2009

Otage -Capítulo 7.

Um dia depois do acidente, todos decidiram fazer a festa do acbide.
-É a sua vez Ingrid. -Pedro.
Ela tira o sutiã, heitor cospe a cerveja rindo por não acreditar que ela tirou.
-Caiu Bruno.
-Tira.. Tira.. _as meninas.
Bruno tira a calça.
-Por que vocês fizeram isso?! -Entra na sala aos prantos Roberta.
-Fizemos o quê? -Pedro pergunta.
-Vocês mataram a Carol!
Elís cai na gargalhada.
-Nos fudemos legal dessa vez.
-Está doida Roberta? Por que mataríamos a carol? -Pergunta manuela.
-Sei lá, eu vi vocês jogando o carro.
-é melhor contarmos tudo. -Fala caio.
-Está doido?! -Bruno.
-Tudo tem uma explicação. -diz Pedro se aproximando de Roberta.
-Eu não estou entendo nada. -fala tadeu.
-assassinos! -Ela se retira.
-Fomos longe demais. -Fala Ingrid.
-Vai atrás dela pedro. -manuela.
Pedro sai.
-Roberta.
-Me largue.
-era para ser uma brincadeira.
-O que ela fez para vocês fazerem isso? -ela chorando.
-Foi um acidente.
-então falem a polícia.
-Não é tão simples quanto você pensa.
-Se vocês não falarem, eu falo. -Se retira.
-Droga!

Central blogs

div align="center">Central Blogs

Colméia

Colmeia: O melhor dos blogs

Ueba

Uêba - Os Melhores Links