Pesquisar este blog

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

De olhos fechados.


Patrícia se encantou com o futuro que poderia ter, o homem maravilhoso que ela achava que ele era. mas ela sabia que se apaixonou pela pessoa errada, Já que ela se achava inferior a ele, por ele ter tudo e ela para conseguir o que ela queria ter, ela tinha que batalhar muito para conseguir. Por isso que ela está chorando.


Capítulo 8.


Guilherme chega na república, a república parece estar "abandonada", ele colocou a chave em cima da mesa, tira a camisa e vai para o quarto.
-Patrícia o que você está fazendo aqui? -ele olha a caixa onde ele guarda as coisas dele.
-Por que você mentiu dizendo que já tinha pago as suas mensalidades, sendo que na verdade você ganhou uma bolsa gratuita? -ela chorando.
-E quem deu o direito de você mexer nas minhas coisas?
-Tudo é uma mentira! A sua vida é uma mentira. Os seus pais não se chamam Lúcia Cisneiros Guia e Paulo Guia Passos e sim Elvira Silva Santos José Silveira Santos.
-Não, eu posso explicar.
-Os cursos, o dinheiro, o carro. Você é uma farsa.
-Patrícia você tem que me escutar.
-Para que? Para você mentir de novo?
-Você não vai! -a jogou na cama.
-Eu me apaixonei por uma mentira, não por você. -ele levanta a mão para batê-la.
-Faça se você é homem! -ele abaixa a mão e ela se retira.
Guilherme temia que Patrícia um dia descobrisse que o Guilherme que ele dizia não existia, que a vida que ele falava era um sonho. Mas ele sabia no fundo que essa situação não se perduraria por muito tempo.
Patrícia se encantou com o futuro que poderia ter, o homem maravilhoso que ela achava que ele era. Mas ela sabia que se apaixonou pela pessoa errada, Já que ela se achava inferior a ele, por ele ter tudo e ela para conseguir o que ela queria ter, ela tinha que batalhar muito para conseguir. Por isso que ela está chorando.
-Eu vim para lhe pedir que não conte isso aos outros. -ela arrumando as malas e enxugando as lágrimas.
-Até quando você acha que vai conseguir sustentar essa farsa?
-Até quando eu puder. Me perdoe se lhe machuquei.
-Você me humilhou com a sua mentira, não me peça o que não posso.
-Você não entende, eu nasci numa merda de vida, num interiôrzinho onde não tinha porra nenhuma de chance de crescer.
-Você conseguiu uma bolsa gratuita.
-Migalhas! Migalhas...
-Eu também sou pobre e não tenho vergonha, estou conseguindo concluir a minha faculdade com o meu suor, mas nem por causa disso vou inventar uma vida que não existe.
Ela saiu do quarto e Guilherme fica no quarto, entram Alice, Pedro e Felipe.
-Trouxemos uns hot dogs... -Felipe.
-Por que essas malas? -Pergunta Alice.
-Foi muito bom conviver com vocês, foi lindo esses últimos anos.
-Por que vai embora? -Alice pergunta de novo.
-Acabou, não dá mais. -ela abraça todos.
-O namoro acabou? -ela foi embora sem responder a pergunta de Pedro.
Guilherme permaneceu no quarto o restante do dia, no outro dia como ele não se pronunciou todos se calaram.
Já se passaram seis meses depois do acontecido.
-Por que essa balança? pergunta Pedro a Felipe.
-Pra nada. -ele se retira.
-Chegaram as pizzas! -fala Guilherme.
-Será que ela vai gostar? -Pergunta Felipe e entra Alice.
-Alice! Alice! Alice! -todos aplaudindo.
-Obrigada, ai vou chorar. Pizza! Vocês são maravilhosos.
-Discurso! Discurso! Discurso! -Grita Pedro.
Adorei ficar aqui com vocês e os outros que já foram... Não consigo mais. -ela com lágrima nos olhos.
Depois deles comerem as pizzas.
Já conseguiu trabalho? -Pergunta Pedro.
-Não, quando digo que sou soropositivo dizem que não dá, inventam uma desculpa. Já estou acostumada, Já recebi muitos não. E vocês já fizeram a prova da OAB?
-Eu não fiz. -Fala Guilherme.
-Eu passei. - comemora Pedro.
-Eu não passei. -Felipe.
-Que pena.
Pedro passa na prova da OAB e já pertence a ordem, já tinha passado 4 anos e meio. Estamos em 2003, faltavam apenas seis meses para eles receberem o diploma, mas esses seis meses passaram rápido.
-Aqui a placa da nossa república 7 de setembro. -Lê Felipe.
-Passou tão rápido. -Fala Guilherme.
-Passamos grandes momentos aqui. -Fala Pedro.
-Vou sentir saudade daqui. -Felipe.
-Vou sentir mais saudade das pessoas com quem convive. -Fala Pedro.
-Espera para nós um futuro que está próximo. -Felipe.
A festa de formatura foi num prédio alugado pela UQUE, estava formando com eles mais 22 advogados, fora alguns médicos, psicólogos, dentistas, administradores e etc. A festa tinha muitas iguarias e pessoas belíssimas.
-Esses são meus colegas pais. -Felipe apresentando Pedro e Guilherme aos pais.
-Prazer. - Falam Bernardo Boutinho Moraes e Margarida Boutinho Couto simultaneamente.
-Você vai trabalhar comigo filho?
-Claro que sim.
-As mães dançam com os filhos e os pais com as filhas na valsa. - o mestre de cerimônia fala.
-Filho. -uma senhora de cabelos castanhos, baixa e de voz suave.
-Mãe o que você está fazendo aqui? -Pergunta surpreso Guilherme.
-Não quer dançar com a sua mãe?
-Vem comigo! -eles vão no corredor. -Por favor se retire.
-Você sente vergonha de mim?
-Sim, sinto.
-Eu fiz o impossível para vim pra cá, para ver o meu filho se formar.
-Eu não pedi nada pra você. Com licença. -se retira.
A mãe de Guilherme começa a chorar.
-Você está bem? -uma estudante pergunta.
-Sim. -ela responde chorando.
Guilherme se esbarra com Pedro.
-Desculpa. -Pede Guilherme.
-Quem era aquela senhora que estava com quem você estava?
-Ninguém, ninguém. -ele se afasta de Pedro.
Guilherme recebe o diploma, após ele sobe Pedro.
-Eu prometo seguir na carreira com honestidade e nos princípios da ética, fazer o bem ao maior número de pessoas...
Depois do juramento de Pedro sobe Felipe.

8 comentários:

Pikenaáh ~ disse...

bloog legaal .;D

Camila Viccari disse...

Oi! Antes de mais nada, obrgada pelo comentário. Sei que parece ser mto fácil quando eum pessoa fala que não devemos desistir, mas falo isso por conta própria: vc pode sim escrever a sua vida. Por mais que 1 milhão de pessoas queiram passar a borracha e escrever por cima, a vida é sua, e abe a você escolher o que você quer dela.

Gutt e Ariane disse...

INdependente do que tenha acontecido no passado, tensa essa situação de deiar a mãe de lado hein... Oo

Thata Souza disse...

Ta legal mesmo a hitória.
Vou passar aqui mais vezes

Abraços

Thata Souza
http://coisasdathun.blogspot.com/

Bruno A. disse...

Nossa escree super bem com vc.
Concordo plenamente com Gutt e Ariane, super tenso deixar a mãe de lado. Parabéns pelo blog ! Visita lá o meu tbm: www.gagauhlala.blogspot.com

C. disse...

Adorei a historia cara, muito bom, mesmo sendo meio triste.

Karina Costa disse...

Adorei o blog..e esse texto ..
tbm concordo que não é doloroso deixar a mãe.. caso complicado..

belo post..

um bjO

Vc curte rock? disse...

Como sempre a mãe é que leva o pato. heheheheh

Independência é tudo. E viva a independência!!!

uhhuuuuulllll

Central blogs

div align="center">Central Blogs

Colméia

Colmeia: O melhor dos blogs

Ueba

Uêba - Os Melhores Links