Pesquisar este blog

domingo, 20 de dezembro de 2009

De olhos fechados.


O tempo passava muito rápido, já tinha começado outro vestibular, e outro trote, que foi feito nas ruas, todos estudantes antigos pintaram os rostos com as cores da bandeira.



Capítulo 6.


Patrícia convidou Guilherme a conhecer a casa de sua família para os pais saberem quem é o novo namorado da filha. A família mora num apart no Leblon. Dona Sílvia Gaeres Coimbra, tinha a mesma beleza da filha só que com 53 anos e doutor Alberto Coimbra. " Se eu chegar a casar com Patrícia vou estragar o nome dela com o meu sobrenome, Silva Silva Santos".
Seu Alberto já tinha os cabelos brancos, bem pouco por causa da sua grande careca tinha um rosto de pessoa ruim, gordo. Já Dona Sílvia era sempre simpática no jantar.
-Você faz o quê meu rapaz? -Pergunta Alberto.
-Direito pai, eu falei sobre isso no telefonema, avisando que vinha pra cá.
-Mas eu queria ouvir dele.
-Você tem quantos anos meu jovem? -Pergunta Dona Sílvia.
-22 anos.
-Patrícia tem 23.- Fala Alberto.
-Nossa filha sempre batalhou sozinha, já que o pai dela era funcionário público e eu dona de casa. Hoje ele se encontra aposentado. Ela está fazendo essa faculdade paga por estar trabalhando. Ela perdeu duas vezes na UNIFESP e uma na UNESPE. Já faz cinco anos que ela saiu de casa para morar sozinha. -Interrompe dona Sílvia.
-Conte mais sobre você. -Alberto pede.
-Sou de Brasília, minha mãe fez questão de pagar todas as mensalidades da faculdade adiantadas, mesmo eu querendo fazer pública.
-Já passou na PUC ou UNESPE? -pergunta Alberto.
-Já "Nunca prestei vestibular nessas faculdades".
-Nossa.
-Ele sabe falar inglês, espanhol, grego, francês, alemão e mais outros cursos. -Patrícia
-Prêter-moi le sauce. -Fala Alberto para Guilherme - Anda meu rapaz.
-Eu esqueci essa frase em alemão.
-Mas é em francês, eu disse empresta-me o molho.
-Ah são muitas línguas, algumas vezes me confundo.
-Ele tem um carro lindo " Por causa dele passei uma noite na cadeia, graças que Felipe pagou a fiança".
-Estava até mostrando um noticiário de um carro que acharam abandonado na Gávea. -Fala Dona Sílvia.
-E onde está o seu carro amor?
-Deixei na garagem da faculdade.
-Você preferiu a Rodoviária?... -Pergunta Alberto.
-Nunca vejo o seu carro na garagem. -Patrícia.
Pedro está arrumando a república, está no quarto de Felipe. " Que bagunça". Ele vê uma caixa, olha as fotos de várias mulheres com ele. Ele guarda a caixa e vê alguma coisa debaixo da cama, ele se abaixa e pega uns pacotes, ele cheira, abre.
-Isso é maconha. - coloca debaixo da cama.
Ele abre uma gaveta e cheira uma cueca de Felipe e coloca dentro do bolso da calça. Ele vê a toalha de banho e se lembra da vez que o viu pelado tomando banho por estar dentro do armário do banheiro. Felipe molhando cada parte do seu corpo musculoso " Que homem", ele cheira o roupão.
-O que faz no meu quarto? - Felipe.
-Desculpa.
-Não fique assim. -ele tira a camisa, está todo suado, abaixou o short, está só de cueca agora -Venha e aproveite -ele deita na cama.
Pedro sai da imaginação e volta a realidade. Ele vai ao banheiro, tira a camisa e se masturba no banheiro, gritou de orgasmo pensando em Felipe.
Na cozinha lavando os pratos Dona Sílvia e Patrícia.
-Mãe você gostou dele?
-Se ele lhe fizer feliz, eu vou gostar mais ainda.
-Por que papai teve que estragar tudo?
-Mas seu pai é assim mesmo. Você é filha única, ele se preocupa.
-Ah Mãe! Acho que estou apaixonada.
-Mas tão rápido um relacionamento para outro, e você também dizia que era apaixonada por Edson.
Na biblioteca da UQUE estão Felipe, Alice e Renato.
-Aqui o livro com a Declaração Universal dos Direitos do Homem. -Felipe falando.
-Vou fazer algumas perguntas a você Renato. -Alice.
-Estou lendo os trinta romances que o professor passou. -Fala Renato.
-Nossa! -Alice.
-Achei, Artigo XI.1 Todo homem acusado de um ato delituoso tem o direito de ser presumido inocente até que a sua culpabilidade tenha sido provocada de acordo com a lei, em julgamento público no qual tenha sido asseguradas todas as garantias necessárias à sua defesa. -ler Felipe.
-Renato, qual é a mulher para você mais bonita do mundo? -Pergunta Alice.
-Você.
Nossa! - Exclamou Felipe.
-Vou fingir que não escutei.
Patrícia e Guilherme se despedem de Dona Sílvia e o senhor Alberto.
-Será que gostaram de mim?
-Claro, quem é doido de não gostar de você. Quem vai casar sou eu, não eles. falando nisso, eu mostrei meus pais, agora falta você mostrar os seus.



Capítulo 7.


-Parece que não tem ninguém. -Patrícia.
-Eu estou pensando em fazer alguma coisa com você. -Guilherme.
-Mas é melhor você esfriar, eu vou tomar banho e quando voltar estudar juros.
-Isto não é justo!
Felipe correndo no calçadão com um bermudão e sem camisa.
-Me empreste à água. -Pedro dar-lhe a garrafa.
-Por que você não foi à biblioteca? -ele sentou no para-peito da ciclovia.
-Eu prefiro ficar sozinho.
Felipe tira o short.
-Vamos?
-Não, prefiro ficar aqui.
-Está bem. -ele entrou na água.
Pedro ver depois Felipe saindo.
-Vamos?
-É antes que anoiteça.
Na faculdade os professore eram rigorosos no curso, Heitor Mesquita, professor de Direito Constitucional, alto de cabelos grisalhos, mas as meninas se derretiam por ele, apesar de ser conhecido como Máscara de ferro.
-Estudaram a Declaração Universal dos Direitos Humanos, Estatuto da Criança e do Adolescente e o Código de Proteção e Defesa do consumidor?
-Sim! -todos respondem.
-Quais os direitos básicos do consumidor segundo o CDC? Quem se candidata?
-Professor o que é CDC? -um aluno do fundo.
-Esses são os futuros advogados que a UQUE vai colocar lá fora. Oh rapaz é Código de Defesa do Consumidor. Um ponto a mais na média pra quem acertar e menos dois pra quem errar.
-Ah não professor!
-Aproveitem que eu estou bonzinho.
Pedro levanta a mão.
-Fale.
-A proteção a vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas de fornecimento de produtos considerados perigosos ou nocivos. -todos calaram a boca.
-Você. -aponta para Felipe -Qual a função da Justiça Estadual?
-Não sei pra que serve essa porra professor.
Todos da sala começam a rir.
-Vamos ter que daqui a pouco fechar esse curso. A ele compete processar e julgar os casos referentes à propriedade, à família, aos menores, a acidentes de trânsito e de trabalho, inventário, separação de casais, crimes, pequenas causas e outras. -O professor.
-Você -para Guilherme -O que é o Tribunal de Contas?
-Um tribunal pago para receber dinheiro.
-Você estudou?
-Não.
-Então cale-se.
Quando viram já estava passando o primeiro semestre.
-Aqui fica a bancada de jurados que tem que ser em quantidade impar, que ficam totalmente afastados da sociedade e são eles que são realmente os juízes do caso. Aqui fica o Juiz que comanda o julgamento e aqui as testemunhas. Alguém saberia me dizer onde fica o réu? -ele está mostrando uma maquete de um tribunal.
-Aqui bem na frente, de todos. -falou Pedro.
-Estão dispensados, trazer a resposta o que é habeas-corpus.
Quando viram acabou o semestre.
-Tchau Renato. - dá um abraço Felipe.
-Já conseguiu trabalho? -Pergunta Patrícia..
-Me inscrevi num concurso público para o interior, agora é só esperar.
-Vou sentir saudades. -fala Alice.
-Ele é bom companheiro... Ele é bom companheiro...
Renato dá o seu último adeus e foi seguir o seu caminho de professor.
O tempo passava muito rápido, já tinha começado outro vestibular, e outro trote, que foi feito nas ruas, todos estudantes antigos pintaram os rostos com as cores da bandeira.
Oh senhora pode me ajudar na minha formatura? - Felipe pedindo dinheiro na sinaleira a uma senhora. -Obrigado.
-Até agora ninguém me deu nada. -Alice.
-Só tenho 4 moedinhas de 10 centavos. -Pedro.
-Hi Hi Hi Estudante só aqui... Hi Hi Hi Estudante só aqui! -Patrícia gritando.
-Vou colocar a música. -Guilherme falando com outra estudante.
-Pronto você já está pintado. -uma garota pintando Edson.
-Patrícia!
-O que foi Edson?
-Próxima vez é a minha formatura.
-Parabéns.
-Agente veio estudar na mesma faculdade para nos formamos juntos.
-Edson me esqueça, não quero te machucar.
-Você já me castigou o bastante.
-Já tem trabalho?
-Me inscrevi para fazer uma prova de trainne para uma empresa.
-Boa sorte.
-Obrigado, e também me inscrevi para um curso de MBA.
-Depois da sua é a minha.
-Patrícia o que você está fazendo com esse cara?
-Estou conversando apenas.
-Não fale assim com ela. Edson dá um soco em Guilherme que cai.
Eles dois começam abrigar, se reúnem em volta deles os estudantes.
-Que emoção estão brigando por você! -Alice.
-Dois infantis retardados. -ela se retira.
Pedro e Felipe, é eles que apartam a briga dos dois.
-Tomara eu vê você de novo com a minha namorada seu filho da puta!
-Ela não é pra você seu monte de merda.
Na república Patrícia cuida dos ferimentos de Guilherme.
-Ai, desculpa.
-Já desculpei. O que o diretor falou?
-Falou o que vão pensar da faculdade, que só tem marginais e bla bla bla.

2 comentários:

Tatiane disse...

interessante super atual,vou ver os últimos capítulos para ter um vizu geral de todo o enredo =D

Fábio Zen e Débora disse...

Visitando Virgilio(nome do grande poeta romano).Gostei muito da dinâmica da narrativa onde se vê toda tua capacidade como escritor.Gostaria de ver outros temas trabalhados na tua mão,mais abrangentes.Tenho certeza da qualidade que serão escritos.Fábio Zen
http://oficinamissoes.blogspot.com/

Central blogs

div align="center">Central Blogs

Colméia

Colmeia: O melhor dos blogs

Ueba

Uêba - Os Melhores Links