Pesquisar este blog

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Íntimos. -Capítulo 2.




Pedro Nasvas -14 anos -1993.


Havia um fato curioso sobre Pedro em todo canto que ele ia o acompanhava uma mulher alta, loira, num vestido branco, jovem, devia ter uns 20 anos, bem pálida, com os seis marcando no vestido, e a boca vermelha de batom, olhos azuis que faziam uma perfeita harmonia com as sombrancelhas claras quase impercepetíveis.
Ela estava parada no ponto, sentada no banco da praça, por entre as pessoas, na escada, ao pé da sua janela, lá estava ela parada pedindo  algo com os olhos, suplicando pra ser ouvida.
Pedro ao vê-la decidiu descer e a seguir. Ela olhava pra atrás e soltava  um sorriso, e Pedro imaginando-se o menino mais sortudo a acompanhava mesmo não sabendo a direção, o caminho, o sentido daquilo, onde terminaria.
Ela para numa porta, abre, olha para Pedro, o chama pra entrar sem dizer uma palavra. Pedro obedece hipnotizado, extasiado. Sobem  as escadas, ele olha pra bunda dela , o vestido mostrando as costas, belas costas. Ela olha pra ele e pisca pra ele, ele quase gozando sem tocá-la.
Ela para de costas pra porta, ele percebe que ela está descalça.
-Quer entrar?
-O que a senhora quer?
Ela o beija e entram.  Ela fecha a porta.
-Venha pro quarto.
Ele passeia com os olhos pela casa, casa muito bem decorada e arrumada. Para na porta do quarto.
-Entra, me ajude a tirar o vestido. - se vira de costas pra ele.
-Eu... Eu so... sou virgem!
-Oh! - ela se aproxima dele -Tão fofo - alisa o rosto dele e ele ver cortes nos pulsos dela.
-O que são isso?
-A vida. - ela mostra o pescoço com marcas vermelhas -Eu serei seu prólogo, cuidarei de você. -o beija.
Dá as costas pra ele e o vestido cai, ele admira o corpo nu dela de costas. Ela para em frente ao espelho, pentia o cabelo, ele olha os seios dela pelo espelho e se aproxima.
-Eu sou bonita?
-A moça mais bonita que eu já vi em toda a minha vida.
-Você só tem 14 anos, como pode dizer a moça mais bonita de toda sua vida?
Se vira de frente pra ele, fala perto dos lábios dele, ele vê um buraco no abdômen dela.
-Meu namorado me deixou.
-Ele é burro!
-Ele é burro. -sorrir chorando -Mais burra sou eu.
-Não chore. -enxuga as lágrimas dela com as mãos.
Ela pega a mão dele, desce até os seios dela, continua descendo e leva até buraco da barriga. Ela tira o cinto da bermuda dele, abaixa a bermuda, olha compenetrada as genitálias dele.
-Tire a camisa, tá calor. -deita na cama.
-Mas o seu corpo está frio.
-Estou fria há muito tempo.
Ela leva dois dedos a boca, molha com eles o bico do peito, apalpa os seios e leva os dois dedos até sua vagina os introduzindo devagar, abrindo a sua vagina pra ele, se contorcendo na cama, abrindo a boca, molhando os lábios com a língua.
Ela bate com a mão na cama.
-Senta aqui.
Ele tira a camisa e senta e num rompante ela se joga nos meios de suas pernas, o chupando, ele não aguenta deita.
-Desculpa.
Ela limpa a boca.
-Quero você dentro de mim.
Sobre em cima dele, sem ele fazer nada, o prazer e o medo se misturavam enquanto ela cavalgava sobre o seu pau duro.
-Aperte o meu pescoço,
Ele fica demente com aquilo tudo, faz o que ela manda.
-Eu não quero morrer Pedro! Eu não quero morrer! -Ela grita.
E ele sentindo a porra chegando, e ela sentindo no seu rabo frio as contrações e estalos e começa a jorrar sangue por todo o seu corpo, sujando Pedro de sangue, o apavorando e ela repetindo aos gritos Eu não não quero morrer.
Pedro acorda do pesadelo, estava melado. Ele vai até o banheiro e se lava, o pau permanecia duro, abre a geladeira, bebe água, joga um pouco no rosto.
Ao amanhecer, é acordada com gritos de sua mãe.
-Me larga Fausto!
-Venha cá.
-Me deixa em paz maldito.
Ele a joga contra a mesa apertando o pescoço dela.
-Socorro!
-Cale a boca vagabunda!
-Largue ela! -Pedro com uma faca.
-O que vai fazer moleque? Vai enfiar isso em mim? Você?- dá risada.
-A solte ou eu mato você.
Ele dá tapa na ex-esposa.
-Ai!
Pedro enfia a faca.
-Ah!
Fausto leva a mão ao abdômen e ver saindo sangue e sangue em sua mão.
-Filho da puta! Filho da puta!
Sai deixando rastro de sangue e ainda se escutava ele gritando filho da puta.
Pedro larga a faca, a mãe o abraça chorando.
-Obrigada filho. Passou, está tudo bem.
A tarde ele passeia de bicicleta e fica esperando a moça loira aparecer, mais nada dela. Era como se a Terra tivesse a engolido, nenhum sinal dela. Passa em frente ao prédio, decide subir, a porta estava aberta. Ele bate na porta e entra, e ver uma senhora loira costurando no sofá.
-Quem é você? - Pergunta ela.
-Tinha uma moça loira morando aqui.
-Você a conhecia?
-A conheci.
-Já faz dois anos que ninguém mora aqui. - larga a costura e se levanta - Eu venho aqui toda semana pra deixar as coisas como ela deixou.
-Deixar as coisas como ela deixou?
-O namorado terminou com ela, e ... ela cortou os pulsos, a sorte que os vizinhos a salvaram. Porém, logo depois de receber  alta ela ao sair, foi pega e levada até um matagal e violentada por quatro homens. Enfiaram uma faca aqui nela.- ela pega na barriga - A estrangularam. - chorando - Um dos homens que fizeram isso disse que ela só falava : Eu não quero morrer, eu não morrer.
-Não!
Pedro sai correndo
-Espera! Como você conheceu a minha filha?
Pedro a deixa chorando, desce correndo as escadas e continua correndo, não conseguindo fugir daquilo tudo, não entendendo, ou não querendo entender o que tinha acontecido. para num para-peito, e fica olhando pro mar, era como se tivesse o chamando.
-Pedro.
Ele se vira, era a moça loira, o mesmo vestido branco que deixava  ainda mais provocativo o seu corpo, os mesmos olhos azuis pedintes,  os mesmos cabelos loiuros perfumados.
-Você não é real, sai daqui. -chorando.
-Eu sou real , foi real.
-Não! - enxuga as lágrimas.
-Eu senti você dentro de mim.
-Você está morta.
-Você viu que não estou morta. Vem comigo. -ela oferece a mão.
Ele dá a mão a ela e vão para um cemitério, e param em frente a um túmulo, o túmulo dela.
-Angélica |Maria Leal, 17 de novembro de 1991. Meu Deus! Isso não está acontecendo.
Ela sobe no túmulo e fica de joelhos, suspende o vestido, ficando nua na frente dele.
-Isso não é real.
Deita e o puxa e ele  lambe a vagina dela, colocando a língua , experimentando o gosto dela, tira a calça, beija as coxas dela, sobe e ver o buraco na barriga, olha pra ela, beija o ferimento , um beijo tenro e demorado. Ele sobe no túmulo também, chupa os seios dela e ela aperta a bunda dele.
-Eu sou real Pedro! Eu sou real.
Lambe o bico do peito dela e a beija. Ela segura a cruz que ornamentava o seu jazigo, amassa as rosas deixadas pra ela os levando a boca, passando pelo seu rosto. Ele passa a lingua no rosto dela, ela aperta o pênis dele, ele morde o lábio dela.
A põe de quatro e começa a penetrá-la.
-Eu sou real Pedro.
-Você é real. - fala no ouvido dela gozando, puxa o cabelo dela e põe a língua dentro da orelha dela -É real.


Nenhum comentário:

Central blogs

div align="center">Central Blogs

Colméia

Colmeia: O melhor dos blogs

Ueba

Uêba - Os Melhores Links